See likes

See likes given/taken


Your posts liked by others

Páginas: [1]
Post info No. of Likes
Entre Mulheres Na hora de dormir a gente deitou na mesma cama e falamos de sexo. Ela contando como foi a primeira vez dela, eu contando como foi a minha, até que eu perguntei se entre mulheres era igual a um filme pornô.

– Coloca um vídeo de sexo aí e eu te respondo se é ou não.
Eu fui e procurei. Encontrei um vídeo de uma mulher bem bonita comendo a namorada com um consolo. Isso me deu tesão, a forma que ela se mexia, os beijos que ela davam. Fiquei confusa, nunca me vi desse jeito, mas a Rafa tinha esse poder sobre mim.

A gente ficou conversando, nos cobrimos com o edredon porque o ar tava bem geladinho e logo ela foi encostando seu braço no meu, sua perna na minha, provocando arrepios. Eu tava com o corpo quente e só dela encostar em mim senti que ela também tava.

Ela foi ficando mais ousada, virou de lado, começou a tocar meu quadril, passou a mão pela minha barriga e me deixou toda arrepiada. Ela então continuou e eu nem conseguia me mover, fiquei ali só estática com um misto de tesão e nervosismo.

Ela começou a subir a mão e tocar nos meus seios. Seu toque era tão macio, me deixava bem molhada, eu soltei um gemido baixinho, não aguentei mais e beijei a boca dela. Um beijo urgente, cheio de tesão e nessa hora ela começou a apertar minha bunda com força, passando a mão pelo meu reguinho e sentindo o melzinho da minha buceta escorrendo até lá.

-Sua bucetinha tá toda molhada… Perdi a conta de quantas vezes já imaginei ela assim.
Quando ela disse isso, me dei conta de que a safada sempre quis me comer e eu tava ali, totalmente entregue. Falei pra ela que nunca tinha feito nada com uma mulher, mas ela disse que deixasse com ela, que faria tudo.

Ela tirou meu shortinho, começou a beijar as minhas coxas nas laterais, sentiu o calor que vinha da minha buceta e beijou lá por cima da calcinha de renda que tava ensopada. Ela tirou minha calcinha devagar, cheirou, lambeu e colocou no canto da cama.

Ela tirou a sua roupa e pude ver seus seios durinhos com os biquinhos rosados. Eram menores que os meus mas eram lindos. Ela de repente subiu em cima de mim e quando sua buceta encostou na minha, pude sentir que ela tava bem molhada, nossos líquidos se misturavam.

Ela autoritária disse baixinho no meu ouvido para eu abrir as pernas e eu fiquei bem abertinha. Ela começou a roçar em cima de mim e nem consigo descrever o prazer que eu senti com aquele movimento dela em cima de mim e com o barulho que fazia dela encostada na minha buceta.
lésbica
Ela beijava minha boca, chupava meus seios, lambia os biquinhos e eu arranhava as costas dela, de tanto prazer que eu sentia. Ela começou a percorrer a língua pelo meu pescoço, foi descendo, beijando minha barriga, até chegar na minha buceta.

Ela beijou os lábios, passava a língua rapidinho só pra me torturar e minha cabeça tava a mil, eu só faltei implorar pra ela me chupar logo. Meu grelo tava latejando de tanto tesão e logo ela meteu a língua e me fez estremecer todinha, ela chupava gostoso, fazia movimentos circulares e mandava eu abrir mais as pernas pra ela meter mais a língua.

Enquanto me chupava a Rafa começou a me comer com os dedos e mandava eu rebolar. Eu tava louca, rebolava na boca dela, gemia e dizia pra ela não parar. Comecei a falar muita sacanagem.
– Chupa minha buceta vai, não para não, enfia a língua toda na minha bucetinha, Rafa!

Ela chupava mais forte depois do meu pedido e falou que queria que eu gozasse na boquinha dela. Ela me chupou uns 5 minutos e metia os dedos na minha buceta, até que eu não aguentei e gozei gostoso na boca dela.

Ela levantou, me deu um beijo na boca e disse:
– Sente seu gostinho safada, olha como é uma delícia o sabor da sua buceta.
Depois disso ela falou que era a vez dela de gozar. Me colocou de pernas abertas de novo e começou a roçar seu clítoris no meu bem rápido.

Ela falava sacanagem enquanto roçava em mim, beijava minha boca com vontade, chupava minha língua e dizia que eu ia ser a putinha dela. Que minha buceta era bem gostosa e ela ia querer provar sempre. Ela ficou roçando gostoso, eu já tava louca de novo, até que ela arqueou o corpo, soltou um gemido gostoso e gozou.

Foi uma experiência incrível. Nunca pensei que transar com uma mulher fosse tão bom. Hoje continuo gostando de rola, mas a partir dessa transa tudo é possível

02 de Outubro de 2020, 03:58
1
Efeito Microndas kkk Certa noite, estava numa discoteca em Lisboa, que passava apenas rock... Estava a passar um bom bocado, pois estava a apreciar o excelente som e tinha uma cerveja fresquinha na mão...
 Fui ao balcão, para me reabastecer, e encosta-se uma gótica giraça ao meu lado...
 Ela olha para mim, eu olho para ela, e ela aproxima-se do meu ouvido, como quem me quer dizer algo.. Inclinei-me e ela diz-me:
 -Olá, tudo bem?
 -Tudo. -Respondo eu-
 -Como te chamas?? -Insiste-
 Disse o meu nome, ela disse-me o dela.. Depois das apresentações diz-me:
 -Olha, posso dizer-te uma coisa??
 -Podes, claro. -Respondo-lhe-
 -Fazes-me lembrar uma pessoa...
 -A sério?? Quem??
 -O Peter Steele..
 Nem quis acreditar, aquilo era um elogio gigantesco para um gótico/metaleiro... O Peter Steele (já falecido), era um vocalista baixista de várias bandas, a mais conhecida chamava-se Type O Negative.. Pousou para a playgirl, e fez história, pois foi o primeiro homem a pousar de pénis erecto para a referida revista... O homem era tipo o suprasumo das bandas metal da altura... Ou pelo menos, um dos...
 Percebi logo que ia haver cena...
 Respondi-lhe:
 -Não... A sério??
 -Sim, diz ela..
 (Confesso que me disseram isso três vezes em toda a minha vida, uma delas recentemente, nas duas primeiras vezes o intuito era seduzirem-me...)
 Foi a segunda vez que me "compararam" ao Peter Steele, e o meu ego inflamou imediatamente...
 Continuámos na conversa, e a beber bebidas a meias, pois a partir da terceira imperial que lhe paguei, recusou-se a aceitar que eu lhe pagasse mais, mas sempre ia bebericando da minha, pois não gosto de beber sozinho....
 Ela estava já sentada ao meu colo, e trocávamos uns beijinhos...
 De repente diz-me:
 -Desculpa, não consigo fazer mais isto...
 E eu:
 -O quê??
 -Isto. -Diz ela- Sinto-me mal, por me estar a aproveitar de ti, tu és bué de fixe, muito bacano mesmo, e eu estou a usar-te...
 -Como assim a usares-me? -Perguntei já nervoso-
 -Eu tenho um rapaz com quem curto diversas vezes, e quero namorar com ele, mas ele nunca quis assumir uma relação séria, e hoje disse-lhe que não me teria mais, e estou a usar-te para lhe fazer ciúmes...
 -Confesso que vacilei... Estas situações são razão para um tipo levar uma sova, mas agora era tarde para recuar...
 -Quem é?? -Perguntei-lhe-
 -É aquele rapaz que ali está..
 Olhei, e vi que era maior que eu, mas com menos corpo, assumi que tinha jogo e tamanho para ele, e voltei à carga:
 -Olha, não tem mal, tu usaste-me ou estás a usar-me e está a saber-me bem, ele é que é ótario em deixar fugir uma beleza como tu dos seus braços...
 -À pouco fui falar com ele, -Diz-me ela- e ele quer falar comigo...
 Assim foi, ela foi falar com o homem, e pouco depois volta para ao pé de mim...
 -Olha, ele quer namorar, desculpa...
 Foda-se pensei eu... Fodi-me, estava já convencido que tinha quem me aquecesse os pés... Hahahahaha
 -Mas espera -diz ela- Quero-te dar uma compensação...
 Puxou-me para umas escadas, que eram ingremes (nessa discoteca haviam dois pisos) e quem olhasse de cá de baixo só via as nossas pernas, aquele piso àquela hora já estava encerrado, e por isso podia-mos dar umas beijokas à vontade, hehehehe...
 Ela subiu um degrau acima de mim, e enrolou os braços á volta do meu pescoço, beijámo-nos intensamente, e eu com a tesão habitual, hahahaha...
 Agarrei-a pelo rabo, rijo, rijíssimo, tinha calças de cabedal vestidas, ficavam-lhe lindamente, levantei-a no ar pelas bochechas, e ela respirava ofegantemente, disse-me:
 -Pára, pára, por favor, pára se não, não me controlo...
 Parei, ela empurrava-me com desespero, pois estava a lutar contra a vontade...
 E assim foi, ela foi ter com a antiga curtes, novo namorado, mas antes disso apresentou-me a umas amigas, que de acordo com ela estavam todas interessadas em mim, perguntei como era possível e ela disse-me que me conhecia duma disco gótica que frequentávamos, como era possível?? Nunca as havia visto na minha vida...
 De qualquer das formas, não avancei para nenhuma, estava farto daquela noite, inflamou-me o ego, provocou-me e depois largou os meus restos aos cães.... Nessa noite percebi o efeito microondas... Eu aqueci-a (fui o microondas), e o outro comeu-a....


 Ps: Não sou nada parecido com o Peter Steele, a não ser talvez no queixo e no naris, apesar de nem por isso.. Ele mede dois metros e eu um e oitenta e dois, e não tenho a definição muscular dele, quem me dera...
 

02 de Outubro de 2020, 04:00
1
A escola... Certa noite, eu e a minha namorada daquela altura, fomos sair com uns amigos. Fomos a uns bares que haviam na Ericeira. Quando voltámos, deviam ser por volta das 04H00m, estávamos super excitados, estávamos em lume. Estivémos a noite toda aos amassos e aos beijos, a apalpar-nos mutuamente, e queriamos muito fazer amor. despedimo-nos do pessoal, e dirigimo-nos às redes de uma escola perto de minha casa. Perto das redes, entre um muro e a própria rede, haviam uns arbustos, e nessa área não havia postes de iluminação, fazendo com que a zona estivesse praticamente às escuras. beijei-a muito e apalpei-lhe o rabo, ela deitou-se no chão e eu pus-me por cima dela, estava com uma tesão massiva, e ela também. Ela estava de mini-saia, e de collants, eu muito excitado, todo a tremer, agarro-lhe nas collants, na zona da vagina, e enfio os dedos pelas collants adentro, rasgando-as, puxo-as para lados opostos com as duas mãos rasgando-as violentamente, e ela diz-me:
 -Môr, môr, calma môr.
 Respondi-lhe:

 -Calma nada, tenho pressa.
 -Tens pressa para quê? Onde vais?
 -Vou-te comer a cona, é uma emergência!
 Ela começou-se a rir, e estava muito excitada, ao ver-me a rasgar-lhe as meias daquela forma animalesca, percebeu que eu não estava para brincadeiras, ia espetar-lho forte e feio, ali mesmo, deitados na relva por trás dos arbustos...
 Desviei-lhe as cuecas para o lado e penetrei-a, comecei imediatamente a espetá-lo com força e velocidade, estava louco de tesão, o caralho todo inflamado, super rijo, com as veias a latejarem...
 Começo a ouvir movimentos ali por perto, e às tantas uma voz de homem:
 -Saiam daí, o que querem seus malandros?? Vou chamar a polícia..
 Entretanto, ouço pedras pequenas a baterem no muro a poucos metros de nós..
 -Estão a ouvir?? Que fazem aí??
 Até aqui tudo bem, mas o pior é que quem quer que fosse estava a querer mesmo correr connosco, e começou a atirar pedras da calçada...
 Passei-me da cabeça, estava bebâdo, excitado, e agora irritado por me interromperem a foda. Gritei:
-Ó caralho, meu granda filha da puta, mas tu queres parar de atirar pedras, ou queres que eu aí vá enfiar-tas pela puta da goela abaixo, meu monte de merda?? Posso dar uma foda descansada meu paneleiro?? Ou só posso foder depois de te partir os dentes e tos enfiar no cú??
 Quem quer que fosse percebeu a mensagem... Ouvi-o a afastar-se, e recomecei o serviço. Espetei-o sempre com força e com raiva até ao fim, ela veio-se e agarrava-se a mim com força, tal era a fúria com que eu estava a fazer amor... Ela teve aí uns três orgasmos, e chegou a minha hora. Enchi-lhe a zona púbica de esperma, pelo buraco das collants. ficou com collants, barriga e cuecas, tudo melado, tudo molhadinho com o meu leitinho. Soube-me bem. Muito bem..
 Ela disse-me:
 -Ai môr, o teu caralho estava tão rijo. Adoro quando me fodes assim à bruta, com força.. É tão booomm...

02 de Outubro de 2020, 04:02
1
Autocarro Tinha estado separado de uma miúda cerca de um ano.. Eu gostava muito dela, e sabia que ela gostava de mim, mas sabem como é, a vida nem sempre vai de encontro ás nossas querenças...
 Eu ligava-lhe com frequência, e enviava-lhe muitas mensagens de amor... Ela namoriscava com outro rapaz e eu arranjava os meus namoriscos, mas na verdade, queriamo-nos um ao outro...
 Um dia, ela liga-me..
 -Precisamos de falar. -Disse ela-
 -Que se passa?? -Repliquei
 -Tenho de falar contigo. -Insistiu
 -Ok, quando? -Sabia que era coisa importante, ela nunca falava de coisas sérias sem ser cara a cara..
 -Hoje, apanha-me na estação do metro em Alvalade..
 -A que horas?
 -20H30m..
 -Combinado.
 Desligá-mos... Comecei a ficar preocupado, o que se passaria?? Fiquei ansioso, aquela antecipação terrivel, nós a tentarmos adivinhar o que se passa, sabem??

 20H30m, lugar combinado...
 Ela sai do metro, chega ao pé de mim, e em vez de dois beijinhos na cara, espeta-me com um beijo na boca, mas um daqueles beijos de lingua tremendos, em que os mortos ficam de pé...
 Tremi por dentro, tanto tempo de luta a tentar reconquistá-la finalmente compensou...
 -Que querias falar? -Perguntei-lhe..
 -Já te digo.
 -Queres voltar para mim, é isso??
 -Não.
 -Então?? Queres curtir, perceber se ainda gostas de mim?? O que se passa??
 Aí ela larga a bomba...:
 -Quero que me comas!
 -Desculpa? -Pergunto eu ainda meio atordoado..
 -Quero que me comas... -Repete ao meu ouvido, numa voz sexy e cheia de tesão..
 -Para onde vamos? -Perguntei.
 -Para onde quiseres, só quero que me comas toda.
 Decidi levá-la para casa, para minha casa, os meus pais eram bastante liberais nestes assuntos, e desde que não abusássemos, sabia que podia fazer o amor com ela bastante à vontade...
 Entrámos no autocarro, sentámo-nos, ela encostada á janela da direita, e eu do seu lado esquerdo. Ela vinha de mini-saia, com collants de ligas, e com um sobretudo por cima. Fez questão de deixar o sobretudo abrir-se e puxou um pouco a mini-saia para cima, de modo a que eu visse que estava de meias de ligas (sabia que eu fico doido com essas meias..), e eu agarrei-lhe logo na perna esquerda, ela olhou para mim, inclinou a cabeça para nos beijarmos, enquanto nos beijávamos pegou na minha mão e colocou-a entre as suas pernas, por cima das cuecas a apalpar-lhe a sua vagina lindíssima...
 Abusei um pouco, meti-lhe as mãos por dentro das cuecas, e ela muito excitada abria a boca, com uma expressão de prazer, tinha a coninha molhada, e eu judiei com ela, masturbei-a muito, e bem, reparei que uma ou duas pessoas que iam no autocarro (havia pouca gente naquele autocarro àquela hora) repararam que estávamos muito excitados, e já olhavam para nós com ar de desconfiança..
 Levei-a para casa, sempre a fazer estes jogos muito eróticos, de provocação sexual mútua, e estava muito excitado, tal como ela.. Entrámos no meu quarto, despi as calças e os boxers, e já tinha o pénis todo babado, muito liquido prostático lubrificante a sair pelo buraquinho... Ela olhou para ele e apercebendo-se do meu estado ficou ainda mais excitada, e deixa sair um: -Ai môr...- E abocanha-mo, UAU... Que bem que soube, há tanto tempo que não sentia aquela boquinha linda a chupar-me.. Disse-lhe: - Isso bebé, mama, mama bem... -Ela não se ficou atrás, respondeu-me: -Tão bom, há tanto tempo que não te fazia um broche, que não sentia este caralho na minha boca... (Teve pelo menos um orgasmo enquanto me chupava).
 Eu delirava com tudo aquilo... Adoro uma boa boca, e adoro quando me dizem coisas deste género, é tão sensual e sexy e excitante uma mulher que se solta na altura do sexo, a mulher tem de ser dona de casa, senhora na rua, e puta na cama, não há outra forma... Sabem aquela expressão que diz que o homem se conquista pela barriga?? É treta, conquista-se na cama. Pelo menos comigo é assim...
 Ela deitou-se na cama de pernas abertas, mini saia escancarada, e cuequinha puxada para o lado, eu penetrei-a, durante algum tempo, fizémos um amor lento e intenso, com muitos beijos, ela puxou a camisola para cima, juntamente com o soutien, nem o desapertou, só o puxou para cima, eu ao ver aqueles seios lindos, nº 38, fiquei doido, liguei o cínico, e acelerei, espetei-lho com muita força e com muita velocidade, grandes bombadas sem parar, ela veio-se três, quatro vezes, e eu sempre a cavalgá-la...
 Ao fim de um tempo, já estava cansado, suado, a cama molhada, cheia de suco vaginal, eu estava pronto para gozar, ela pediu-me... -Lá dentro, dá-me o teu leitinho lá dentro..
 -Vou-te enprenhar minha puta, tenho dois litros de esporra aqui acumulada...
 -Então emprenha meu machão, emprenha a tua putinha, esporra-me toda..
 E eu esporrei... Deitei muito leite quente, todo lá para dentro, enchi aquela barriguinha toda por dentro....
 Ela veio-se muito também, os nossos líquidos misturavam-se, e estava tão quentinho....
 Foi muito bom...
 As mulheres também se conquistam na cama, pelo menos essa eu reconquistei-a na cama, mas não foi desta vez, foi um conjunto de vezes em que fizémos amor... Fomos fazendo mais vezes, e com intervalos mais pequenos, até que decidimos que era melhor namorarmos novamente...

02 de Outubro de 2020, 04:03
1
BatePunhetas Lentamente, afasto a calcinha de renda que deixa ver o apetitoso conteúdo e introduzo dois dedos na tua ratinha. Primeiro não reages. O torpor de um fim de tarde de Verão… Mas pouco a pouco, começas a gemer. Primeiro lentamente, depois com muita excitação. Vou aumentando o ritmo da massagem; coloco mais um dedo e amplio a área de acção. Vou e venho com os dedos, esfregando, entrando, saindo e voltando a esfregar. Os meus dedos já estão empapados… Adoro esses lábios bem salientes e protuberantes!
Começas-te a mover… Junto aos dedos a minha língua, que começa a lamber toda a zona da vagina. Sabes bem! A pouco e pouco, vou lambendo da frente para trás. Gritas de prazer ao sentir a minha língua a lamber-te alternadamente os buracos. Introduzo um dedo no teu traseiro, continuando a esfregadela pela dianteira. Começas a gemer cada vez mais alto e a pedir mais. Estás cada vez mais molhada. Também estou muito excitado. O meu caralho grosso pede abrigo!
Alguns instantes depois, paro de lamber, enfio o pénis no teu rabinho e começo a dar lentas estocadas. Tu gritas. “No cuzinho, não. Por favor, não… Ai, ai, aaaaaiiiii, já entrou, sim, sim , siiiiiiiiiiiiiiiiiiim, forçaaaaaa, enterra-o todooooooooo...” Percebo que o prazer que sentes se sobrepõe à dor. Gemes baixinho, rebolas-te. “Sim, sim, dá-me com força. Enterra-o mais....” Agarro-me aos teus quadris e vou dando estocadas, cada vez mais fortes. O teu cú está tão apertado, que rapidamente me esporro todo. Pareço um cavalo! Nunca deitei tanto leitinho de uma só vez! Dizes-me que sentes como se fosse um rio descendo.
Limpamo-nos.

Pegas-me no membro flácido e com sábios movimentos e algumas lambidelas, rapidamente o colocas novamente funcional.

Enquanto roço o meu sexo no teu, lambo e mordisco os teus mamilos que enrijecem subitamente. Passo para a zona da nuca e das orelhas. Gemes de prazer. A pouco e pouco, vou descendo, até chegar ao períneo, que percorro avidamente, enquanto vou massajando as tuas coxas bem torneadas. Não paro de percorrer toda a zona entre o teu rabo e a rata. Aconchego-me neles. Se pudesse ficava aqui todo o dia!

De repente, vou buscar uma garrafa de vinho, da qual vou vertendo pelo teu corpo e lambendo.

Volto a introduzir dois dedos na tua cona. Ao retirá-los, melados, sugo com evidente prazer de ambos os teus sucos. Começas-me a pedir “mete, mete, mete esse caralho.Rebenta-me”. Faço-me rogado, penetro-te de novo com os dedos e vou-te massajando a pachacha húmida. Os meus dedos deslizam pelo teu grelo e gritas de prazer.

Começo a insultar-te; sei que gostas. “És uma putinha, safada. Vaca, cabra, goza, goza. Estás a gostar, cadela?”

Continuo a massajar, metendo e tirando os dedos e de repente, a surpresa: no meio de mais gritos de prazer, começa a jorrar da tua vagina um esguicho, quente e viscoso, que me apresso a deglutir.

Deixo-te descansar uns segundos e apontando o instrumento à tua boca, ordeno: Chupa, minha puta, chupa! Leva-me ao céu! Lambe-me o caralho e bebe a minha esporra.

Obedeces e começas, primeiro com lentidão e depois cada vez mais sôfrega, a sugar-me. Estás de cócoras. Vais passando a língua enquanto me apertas e desapertas as bolas. Sinto-te trémula de tesão. Lambes-me de baixo para cima.

Deitamo-nos de novo, em posição de 69. Enquanto vou passando a língua pela tua rata, abrindo-te os lábios, esforço-me por não me vir, dado que me fazes uma massagem bucal capaz de me levar ao céu. Volto a lamber-te o cuzinho, o que te excita sobremaneira. Ao mesmo tempo, massajo-te a pachacha.

Aceleras o ritmo a que enfias o meu caralho na tua boca. Lambo-te a cona ao mesmo tempo que a penetro com três dedos. Começamos os dois a gritar ao mesmo tempo. Esporramo-nos na boca um do outro. A única diferença é que a minha langonha é mais grossa! Beijamo-nos partilhando os líquidos seminais.

Foi uma foda e tanto. A repetir!

02 de Outubro de 2020, 04:04
1
Quando a Mulher não tem Assistencia em Casa,Procura o Melhor Amigo Olha Gui, ando bem triste viu? o que eu tenho visto de filme pornô não é brincadeira.

-Humm, nem precisa ficar só vendo filme né? uma mulher como você qualquer homem ia ficar louco querendo.

-Se você não fosse mulher do meu amigo, eu caia matando em cima de você. E a gente ia se dar bem na cama hein? Você não ia passar vontade.

-Nossa Gui, falando assim vou esquecer que sou casada hein?

-É mesmo? então a gente pode esquecer agora, vem cá pertinho.

Eu fui pra perto dele, ele me puxou, sentei no colo e já senti a pica dele dura. O tesão era tanto que nem pensei em nada, só rocei minha bucetinha e meu rabo na pica dele, a gente com roupa e tudo.

Minha buceta tava molhada, latejando, o pau dele também tava quase furando a calça, a gente se olhou de um jeito safado, trocamos beijos e foi um tesão.

-Caralho, tira essa roupa vai, tô doido pra sentir você.

Tirei tudinho, me deu um fogo na buceta maior ainda, escorria de tesão, não aguentei e botei a rola pra fora, comecei a chupar o pau gostoso dele, foi um tesão danado, mamei com vontade, engoli cada centímetro dessa rola, fiz ele gemer pra valer, a sacanagem tava deixando ele louco.

-Chupa assim bem gostoso, puta que pariu, que boca gostosinha.

Ele sentiu que ia gozar, interrompi o boquete e dei uma sentada na boca dele pra o safado me chupar pra valer. Ele sabia como fazer direitinho, enfiava a língua todinha na minha boca, me arrancando gemidos gostosos, eu comecei a rebolar na boca dele e acabei não aguentando quando ele colocou a língua dentro da minha buceta e gozei.

Quis retribuir sentando gostoso naquele pauzão, ele me pegou de jeito, me fez dar uma quicada deliciosa e eu fiquei louca, comecei a rebolar pra valer, gemi, encaixei aquela pica grande e grossa todinha na buceta.

Eu quiquei com vontade, virei de costas pra ele, comecei a cavalgar na sua pica, depois fiquei louca de tesão e rebolei meu rabo naquele pau, mas eu queria mais, meu cuzinho tava piscando de tesão.

Pedi pra ele comer meu cuzinho, ele adorou, fiquei de quatro no sofá mesmo e o safado deu uma arregaçada gostosa, metendo forte e deixando minhas pregas arrombadas, até que eu não aguentei e acabei gozando gostoso e ele logo em seguida. Foi a melhor rapidinha que eu tive e é sempre bom sacanear meu marido traidor fodendo com o amigo dele.

02 de Outubro de 2020, 04:05
1
Quantas conseguem dar?

Li um estudo que dizia o seguinte:
Em média, um homem pode chegar a ter 11 erecções por dia  ;D
 
Claro que não acredito nessa  ;D mas digam lá: quantas conseguem dar?  ;D

26 de Outubro de 2020, 18:27
1
Transgênero O termo transgênero surgiu pela primeira vez em meados dos anos oitenta, para definir uma categoria de transtorno de gênero que não era abrangida nas que já haviam. Existiam duas categorias gerais gays e travestis, mas sabemos que os transtornos de gêneros são muito mais abrangentes que isso, tendo transformistas, travestis, intersexistas, crossdressers entre outros.

O grande diferencial dos transgêneros em relação aos outros transtornos de gênero, é que eles de fato não se identificam com o sexo em que se encontram. A frase mais ouvida entre eles é: “estou no corpo errado”. Esses indivíduos se sentem totalmente do gênero oposto aos seus corpos, e sofrem um desconforto persistente em relação ao próprio sexo.

É importante lembrar que identidade de gênero e atração sexual são coisas muito diferentes, por isso ser transgênero não significa ser homossexual.

Os trans (como são conhecidos os trangêneros), já demonstram, desde muito cedo, sua insatisfação com o próprio corpo. Existem casos de crianças de 3,4 anos que já se descobriram como transgêneros, e vivem com o sexo que se identificam. O apoio dos pais e a busca por médicos especializados nesse tipo de assunto é essencial. Nesses casos a função dos pais é perceber se a criança não está passando por uma fase, se é gay, ou de fato possui transtorno de gênero.

A identidade sexual nesses casos, não está nada ligada ao corpo e órgãos, está ligada ao mental, chamado “sexos cerebrais”, o seu sexo pode ser masculino, mas o seu gênero feminino e vice-versa. Reforçando que o sexo é ligado ao corporal, aos órgãos sexuais, e gênero é mais comportamental e social.

Com o acompanhamento médico correto, as crianças trans podem ao entrar na puberdade iniciar o tratamento hormonal, que inibirá o corpo de tomar formas do sexo que não se identifica.  Além disso o tratamento hormonal permite ao indivíduo desenvolver algumas características do seu gênero, por exemplo, no tratamento de uma mulher transgênero, o hormônio induz o crescimento de mamas, suaviza os traços no rosto e afina voz. Já no tratamento de transgêneros masculinos, crescem os pelos, a voz fica mais grave, feições mais brutas e interrompe a menstruação. Ao chegar na maioridade os trans podem fazer a cirurgia de mudança de sexo.

28 de Outubro de 2020, 19:01
1
Brinquedos eróticos com Karina Marfim
28 de Outubro de 2020, 19:07
1
Você prefere dinheiro ou transar? Respondam...
13 de Novembro de 2020, 21:42
1
Vossos maridos são fiéis? Fazem sexo constantemente?
13 de Novembro de 2020, 21:56
1
Casamento sem sexo: quanto tempo pode durar essa relação? ... - Veja mais em htt Qualquer relacionamento, principalmente os estáveis e de "longa data", costuma atravessar alguns períodos em que a atividade sexual é menos frequente. Uma fase mais morninha — que para alguns é de "seca" total — pode ser resultado de vários fatores.

"A diminuição ou ausência de sexo em determinadas épocas do casamento é algo natural e costuma estar associada a momentos críticos da vida, como nascimento de filhos, reforma da casa, estresse no trabalho, conflitos interpessoais, crise financeira ou afetiva, abuso de álcool e ou drogas, infidelidade...", comenta a psicóloga Mara Lúcia Madureira, especializada em TCC (Terapia Cognitivo-Comportamental).

Porém, não são somente essas crises que influenciam na intimidade conjugal. Não é raro que, durante um casamento, as pessoas acabem se acomodando em relação ao sexo e deixem de transar por meses e até por anos. Isso conduz à questão: por quanto tempo é possível um casamento funcionar sem sexo?

Relações que atravessam longos períodos sem sexo são mais frequentes do que se imagina. E, acredite, nem sempre resultam em separação, o que não impede que a questão seja encarada como um sinal de alerta e que mereça ser trabalhada.

Por ter a sensação de que o outro estará sempre lá, no travesseiro ao lado, disponível, há a tendência de deixar o sexo para depois, pensando que depois haverá um momento mais favorável. E, aí, o casal começa a postergar esperando o melhor dia, local e/ou hora.

"Quando percebem, já se passaram meses sem uma relação sexual. É muito comum ver casais que deixam de fazer sexo porque hoje ainda é segunda e amanhã tem que acordar cedo ou porque hoje é sábado e ficaram fora o dia todo e é melhor deixar para domingo que estarão descansados. São pensamentos que acontecem tanto em homens quanto em mulheres e isso começa a distanciar o casal", afirma a psicóloga Adriana Severine, também especialista em TCC.

Amizade e cumplicidade seguram a situação

Não existe, segundo Adriana, um tempo limite para uma pessoa ou um casal ficar sem sexo, já que isso depende de vários fatores. "Há casais jovens que ficam quatro ou cinco anos sem sexo e mantêm o casamento, enquanto outros passam quatro meses sem transar e a relação desmorona. Sempre que falamos de relações humanas não se pode generalizar, pois cada indivíduo é único", diz.

Já Juliana Bonetti, psicóloga e terapeuta sexual, de São Paulo (SP), fala que o tempo que um casamento pode ou não durar sem sexo depende de como cada um lida com essa ausência.

"Em certos casos, geralmente o desejo está depositado em um só, ou seja, um no casal quer sexo e o outro não ou nem tanto. Nessas situações, sustentar um relacionamento fica complicado. As cobranças e as discussões tornam-se constantes e difíceis de administrar", diz. Quem sente mais vontade acaba se sentindo rejeitado.

Amizade, cumplicidade, amor, sonhos em comum, jeitos de pensar semelhantes e confiança são aspectos mais importantes do que sexo para algumas pessoas e que podem manter um casamento assexuado.

"Ter uma boa convivência fora do contexto sexual influencia muito a tolerarem à falta de sexo. Muitos casais têm uma vida conjugal muito boa no quesito vida a dois, filhos, família, trabalho. O sexo não é o que determinará uma separação", avisa Juliana.

Não é por isso, entretanto, que a baixa ou a falta de frequência sexual deve ser subestimada. O sexo é uma experiência importante para o bem-estar individual e do casal, pois ajuda a fortalecer a intimidade e o vínculo.

Afastamento emocional é um risco

Muito tempo sem transar pode afastar o par e é justamente esse afastamento — não só sexual, mas sobretudo emocional — que provoca uma espécie de "trava" quando a vontade surge, impedindo a pessoa de expressar ao outro que sente desejo. De acordo com Mara Lúcia, há pessoas que sentem falta de transar, mas não tomam nenhuma atitude. O que as impede?

"A falta de atitude pode expressar baixa autoestima, autoimagem negativa, dependência financeira ou afetiva. Por não se sentir suficiente física, intelectual, financeira ou socialmente, a pessoa se acomoda, encontra meios de se satisfazer sexualmente sozinha e segue a vida com o cônjuge. A passividade tem o objetivo de manter o status quo da relação e evitar entrar em contato com os próprios sentimentos de inferioridade ou incapacidade de gerir a própria vida contando apenas consigo mesmo", diz.

Para Juliana, um longo período sem sexo faz também com que a pessoa perca contato com a própria sexualidade e sensualidade e tenha medo de ser julgada pelo par, já que a intimidade, nesse fase, sofreu um certo abalo.

Para Adriana, quando o sexo começar a diminuir ou rarear, é preciso que os dois se disponham a conversar abertamente sobre o que está acontecendo. Pode ser um papo difícil, mas vai ajudar, inclusive, a motivar o casal a buscar estratégias para o problema ou alguma questão que esteja afetando a libido.

Por exemplo: se a pouca vontade de transar tiver a ver com as finanças, o par pode definir um plano para cortar gastos ou aumentar os ganhos e, conforme o contratempo for sendo solucionado, ir resgatando a intimidade e a cumplicidade.

"Mas, se os dois não se sentem confortáveis para conversar a respeito, o ideal é procurar uma terapia de casal para ajudá-los a entender o momento pelo qual passa a relação. Meu conselho é nunca ignorar o assunto e fingir que nada está acontecendo. Há casais que decidem viver sem sexo, mas isso deve ser uma decisão de ambos, não algo empurrado com a barriga e que não resolve a situação. O ideal é que ocorra um diálogo e não uma discussão ou briga sobre o assunto para encontrarem juntos uma saída", completa.

13 de Novembro de 2020, 21:57
1
Segunda vez da minha esposa com outro macho: Uma surpresa gigante! Olá, meu nome é Mario e sou casado com a Patrícia, ambos temos 34 anos, aos poucos estou escrevendo sobre as experiências que tivemos no mundo do ménage masculino. Sou corno manso e adoro ver minha esposa sendo cobiçada, desejada e arrombada pelos pauzudos de plantão que não perdem uma oportunidade de fuder com ela. Nesse conto relato nossa segunda experiência com outro macho.

Se você não leu o relato da nossa primeira experiência, sugiro que leia antes de prosseguir o título é: A primeira vez que minha esposa deu pra outro macho na vida e eu estava junto.

Continua depois da publicidade
Patrícia é uma mulher extraordinariamente linda, 1,74m de altura, pele branquinha, cabelos bem pretos e lisos, boca carnuda, seios médios e a bunda mais linda que já vi na vida, grande, dura e empinada. Adora malhar e usar saltos altíssimos, imagine, 1,74 + salto 12, temos um mulherão lindo de 1,86m que intimida muito marmanjo por aí. Tudo isso é maravilhoso, mas, nada como vê-la pelada, como um mulherão daquele pode ter uma bucetinha tão pequenininha, rosinha e apertada? Quem vê fica louco, parece feita a pincel.

Três meses já haviam se passado desde o nosso primeiro ménage, moramos em uma cidade pequena e só realizamos nossas fantasias quando vamos para grandes centros. Nesse período, gozamos muito juntos, e também me masturbei varias vezes com o tesão da experiência única que ainda era latente. Na quinta, propus para Patrícia de no sábado marcar nosso segundo encontro, ela topou e eu comecei a organizar.

Somos bastante objetivos e decididos, geralmente já separo pra ela os perfis mais confiáveis nas redes sociais de swing e ela escolhe entre eles quem será o felizardo da vez. Eu tenho um pau considerável 18cm de rola proporcional, grossa, mas não muito, cabeçuda, mas não muito também, e a Patrícia sempre gosta de escolher um macho com a rola maior que a minha, e eu também prefiro até porque, como já disse em outro conto, gosto de transar com ela depois que o outro cara termina o serviço e vai embora para sentir a bucetinha dela arrombada, isso me faz lembrar as cenas que acabei de presenciar enquanto nossa transa está rolando. Se você nunca fez isso, não sabe o tesão que dá e a oportunidade de ter um sexo diferente que está perdendo.

Continua depois da publicidade
Bom, mas vamos lá… já estávamos no motel esperando o cara, que aqui chamarei de Armando, a portaria interfonou e logo ele bateu na porta. Quando abri a porta, fui surpreendido, o cara tinha uns dois metros de altura, e uma mão imensa. De cara já pensei, hj a Patrícia vai sofrer na rola desse gigante. Ele entrou na suíte, percebi que quando ela o viu ficou com um semblante de espanto, o cara realmente era muito grande.

Nos apresentamos, conversamos um pouco, ela explicou pra ele que não curte beijar na boca(não sei o porquê, mas ela foi superando isso e passou a beijar os caras), Patrícia estava com uma calça leg apertadíssima que deixava a bunda dela gigante, uma blusinha solta e decotada que com qualquer abaixada já deixava seu busto aparecer e um sutiã de renda branco dava um toque especial, como sempre, salto fino e alto.

Armando pediu que ela se levantasse para ele admirar o conjunto, eu como bom corno que sou, segurei na mão dela e lentamente fui girando minha esposa enquanto ele admirava com olhar de quem ainda não acreditava que ia comer aquela delícia. Quando ela ficou de frente para ele novamente, ele segurou na cintura dela e puxou a para perto, subiu as mãos em direção aos seios e junto levou a blusinha, eu terminei de tirar a blusa e já aproveitei pra tirar o sutiã. Ele virou ela de costas, e desceu a calça leg. Patrícia de costas pra ele, desceu do salto, tirou a calça pelos pés sem se sentar, proporcionando para Armando aquela visão maravilhosa que vc já deve imaginar, e subiu no salto novamente.

Eu sentando na cadeira, admirava minha esposa de costas para o comedor, lindíssima, só de calcinha e salto alto, ele beijava e apertava a bunda dela e com a outra mão ia pela frente enfiando o dedo médio pela lateral da calcinha e iniciando uma massagem no clitóris dela com movimento rotativos. Logo ele colocou ela sentada na cama, tirou a camisa, abriu a calça e colocou pra fora aquele pau enorme, como já era de se esperar, proporcional ao tamanho do sujeito. Armando tinha um pau não muito grosso, mas era muito grande acredito que uns 24 cm mais ou menos e tinha uma cabeça tipo cogumelo, muito destacada, algo muito diferente das duas rolas que ela já tinha experimentado na vida.

Com a mão esquerda, ela começou a massagear as bolas do Armando, ele tinha um saco murcho que parecia ter se esticado de tanto suportar o peso das bolas(depois ela me disse que o saco dele era pesado), com a direita batia punheta em um movimento lento de vai e vem como que admirando aquele caralho enorme e bem diferente dos anteriores. Não demorou muito e ela começou a lamber e beijar a rola dele, mesmo tendo que abrir bastante a boca visto que a “chapeleta” era grande, foi abocanhado aquela rola cabeçuda e sugando com força, parecendo uma bezerrinha faminta, que delícia, depois começou a tentar pôr os ovos do Armando na boca, conseguiu, porém, um por vez.

Armando foi pegar a camisinha, eu tirei a calcinha dela e chupei aquela buceta melada, enquanto ele vestia o preservativo no pau pra começar a meter. Ele chegou na beira da cama, minha esposa de frente e eu em pé a certa distância, levantou as pernas dela, virou ela levemente de lado de modo que eu pudesse ver, deu três pinceladas na bucetinha, a cabeça da pica dele era muito maior que a porta de entrada, mas ele começou a forçar, não entrou, ele então passou mais cuspe, pincelou novamente, e tentou de novo, a cabeça foi entrando, ela apertava os lençóis com as mãos e gemia, no lento põe e tira, logo a buceta dela já estava engolindo aquela mastro até o talo, e aquele homem enorme pressionava ela contra a cama, enquanto apertava e mamava seus peitos, dava estocadas fortíssimas que faziam ela gritar de prazer.

Armando pegou um travesseiro, pediu que ela deitasse de bunda pra cima com o travesseiro embaixo na linha da cintura, ela ainda de salto ficou como ele pediu, aquela mulher linda, de salto, bunda pra cima e o joelho um pouco flexionado era uma coisa linda de ser ver, ele veio por cima, e começou a bombar forte naquela bunda maravilhosa, ela gritava com aquela rola enorme e cabeçuda arrombando sua bucetinha tão delicada, foram alguns minutos de firmes estocadas e Armando começou a falar que ia gozar, ela pediu pra ele parar.

Eu e ela tínhamos combinado que o próximo macho gozaria nos peitos dela, então ela puxou a cadeira de uma mesa que tinha no quarto e ficou de joelhos na cadeira firmando na mesa, falou para Armando meter, mas não gozar dentro, porque ela queria tomar a gozada nos peitos.

Armando colocou uma mão no ombro e outra na cintura de Patrícia, e começou a dar estocadas fortes e lentas, batendo com força seu quadril contra a bunda dela, ela gemia alto e contribuía para as estocadas empurrando a bunda empinada contra o cacetão duríssimo dele. Aquele garanhão enorme e pauzudo, urrava, respirava fundo e hora olhava para a bunda dela, hora olhava pra cima e fechava os olhos, eu percebia que ele não estava conseguindo mais segurar o gozo, até que acelerou o ritmo por alguns segundos e gritou: “CARALHO, EU VOU GOZAR!”.

Ele tirou o pau bruscamente da buceta da Patrícia e já foi puxando a camisinha, ela virou de frente rápido pra sentar na cadeira e se posicionar para receber a porra daquela rola pulsante nos seus seios, não deu tempo, Armando já tinha segurado muito e o gozo explodiu em jatos violentos, o primeiro pegou no cabelo na lateral da cabeça dela e um pouco caiu na mesa, o segundo muito grosso e volumoso acertou os lábios no canto da boca e respingou pela bochecha, o terceiro no pescoço, e os seguintes já com menor intensidade foram atingindo o busto e escorrendo pelos seios e barriga, ela com uma mão firmava na coxa de Armando e com a outra acariciava o saco puxando as bolas, enquanto ele relaxava, gemia ofegante e sacudia a rola com força que ainda pingava porra no busto dela e espirrava algumas gotas em outras direções. Com o indicador e o polegar ele apertou a cabeça da rola, deslizou para a ponta juntando o restante de sêmen que ainda escorria do seu pau amolecendo e jogou nos peitos dela, como se Patrícia fosse uma vadia qualquer que tinha acabado de ser usada, que tesão em vê-la assim. Fui ajudar ela a se limpar, muita porra escorrendo pra todo lado.

Armando tomou banho, se vestiu e foi embora. Nós, como sempre, fomos transar, ela com o cheiro da porra de outro macho no cabelo e no rosto, e eu colocando meu pau naquela bucetinha arrombada e segurando pra não gozar logo nas primeiras bombadas, relembrando as cenas que tinha acabado de presenciar.

Caso queiram mais contos, peçam nos comentários, será um prazer dividir com vocês aqui no site meus momentos de cornitude, tesão e realização.

13 de Novembro de 2020, 22:00
1
Adriana - A puta vadia Oi, vou me chamar de Alex, nome fictício, primeiro gostaria de dizer que adoro ler contos eróticos e depois de muitos lidos resolvi também contar o meu que aconteceu a cerca de 1 ano atrás....... Bem moro em uma cidade do interior de São Paulo que fica próxima de Bauru, .....Bem tenho 19 anos, 1,74 de altura, cabelos castanhos claros, olhos pretos e peso 65Kg. Bem, há uma garota que se chama Adriana que mora aqui pra baixo de minha casa há muito tempo, sempre que ela passava perto de casa eu mexia com ela tipo assobiava, cumprimentava ela com ironia, mas nunca cheguei nela. Ela sempre me ignorava, e nunca me dava atenção. Adriana tem 18 anos, é morena, cabelos castanhos escuros, olhos castanhos, uns peitinhos durinhos médios e uma bundinha que deveria ser uma delícia. Bem, uma vez uma garota que era meio parente minha, é minha vizinha que se chama Claudia, uma loira que anda com a Adriana, me veio falar que ela queria sair comigo, bem eu disse que iria conversar com ela depois. Passados 2 dias as duas vieram em casa de noite e a Claudia foi embora e me deixou conversando com a Adriana, bem, depois de algumas voltas fiquei com ela, mas não tinha rolado nada ainda.....e a partir desse dia fiquei saindo com ela um bom tempo. A partir da 3ª vez que saí com ela já comecei a passar a mão nela, na sua bunda, e o meu pau já tava pra fora da cueca nesses instantes, foi aí que ela pegou na minha mão e colocou no seu peitinho dizendo como se fosse uma puta vadia - Vai pode colocar, não precisa Ter medo não - quando tirei seu sutiã que era de ursinho vi aqueles peitinhos durinhos com o seu biquinho durinho cheio de tesão, foi aí que comecei a chupar sem parar como se eu fosse um bebê, ela era muito gostosa...a partir disto eu comecei a enfiar a mão na sua bucetinha, daí ela deu um suspiro e mandou que eu parasse, foi aí que conversamos um tempo e ela me disse que já tinha transado com um kra que por sinal eu jogava bola com ele, eu era virgem ainda, mas tinha falado para ela que eu já fiquei já com uma garota...ela me disse que se eu arrumasse uma casa ela faria o que eu quisesse..... Fomos saindo, saindo e só ficava nisso só chupava seus peitinhos e buceta que era bom nada .... Numa dessas saídas nossas a noite, lembro que uma vez fiquei com ela num orelhão telefônico, ela sentou naquele encosto que tem no orelhão pra colocar bolsas, etc. e eu fiquei de pé........vou descrever como ela estava: calça jeans bem apertada e uma blusinha preta que dava pra ver seu sutiã preto. Ficamos horas neste dia no orelhão, chupava toda hora seus peitinhos, ela pegava mordia meus dedo, chupava eles, ah ela era muito gostosa, seus peitinhos eram uma delícia, daí fui abrindo a calça dela e abri o seu zíper inteirinho, ela tava com uma calcinha preta de renda, fui colocando a mão na sua bulacha, mas ela imediatamente parou e me disse - Não filhinho, mamãe não deixa - mas ela só tirou minha mão, então eu tirei meu shorts e fiquei com a cueca aparecendo, eu, pensando que ia comer akela bucetinha naquele dia, mas toda hora que ia passar a mão nela ela tirava, ficamos nakele fogo até umas 5 da manhã.......... E foi assim deste jeito em quase todos os lugares que ficava com ela, atrás do caminhão, no beco da rua, sempre chupava seus peitinhos durinhos e empinados, lambia akela boca gostosa mas nunca comia akela bulacha Adriana era muito fogosa, gostava de mexer comigo e conseguia, ah, mas depois de tantas tentativas akela não ia passar, olha como ela estava: vestidinho preto.......(não precisa falar mais nada), neste dia deitamos num lugar meio afastado de casa, num bairro bem escuro estávamos, ah q delícia enfiar a mão nakele vestidinho, nakelas coxas, e quando tava chegando na melhor parte perto do cuzinho ela tirava a minha mão e falava - Filhinho pára com isso se não, não ganha beijinho - eu tava louco já, chegava em casa só pensava nela, CONCLUSÃO : batia uma pra ela toda a noite depois que a gente ficava, naum tava mais agüentando....... Mas o esperado dia tinha q acontecer e finalmente ele chegou......saímos, foi numa Quinta-feira a noite, saiu eu, ela e uma amiga, Mariana, uma morena tetuda muito gostosa, um tesão.......depois que fomos num barzinho tomar umas, deixamos a Mariana na casa dela e eu e a Adriana fomos embora, mas percebi que tanto eu como ela tava num fogo só num tesão incontrolável, ela não parava de me beijar e chupava meus dedos, eu não tava mais agüentando até que eu vi uma casa em construção, entramos lá dentro loucos, cheio de tesão um pelo outro, chegando, já tirei sua blusinha e chupava akeles peitinhos como nunca como se fosse um bezerro, ela então uma surpresa, tirou minha camiseta e começou a me beijar no pescoço, ah, tirei minha calça e fiquei só de cueca abri o zíper da calça dela que estava muito apertada nela e abaixei-a e que visão nossa , akela gata só de calcinha branca de renda, meu pau naum tava mais agüentando e arranquei ele tirei sua calcinha, que bucetinha!!!!! Era meio peludinha um tesão, queria fazer tudo chupar, lamber ..., ela não fazia nada só me beijava no pescoço no peito, me beijava como se fosse uma vadia, ah tirei a camisinha da carteira......putz que sofrimento pra tirar akela camisinha da carteira que tava no bolso da minha calça que tava abaixada, mas na hora do tesão vc fica mais rápido do um carro de formula1 bem enfiei logo akela camisinha no pau e devagarinho enfiei nakela bulacha, ah que delícia, ela dava uns suspiros ficava debruçada na parede suja em construção o que pra nós naum tinha mais efeito algum, eu apertava akela bundinha ahhhhhh como era gostosa akela bundinha, chupava seus peitinhos enquanto meu pau fazia o resto, akela buceta era um delírio, bem ficamos um tempo até que ela me disse vamos embora .......ficamos uns 20 minutos, foi pouco tempo pela quantidade de porra que havia saído nakela hora.....colocamos nossas roupas e naum parávamos um minuto de se beijar......e fomos embora sai lá fora e queria gritar, gritar, foi muito gostoso......... ficamos mais umas duas horas juntos só beijando e agora passando a mão em tudo que era lugar ...........nossa estávamos imundos , sujos, horríveis mas foi muito bom e nunca mais vou esquecer esta noite magnifica......... Galera de todo o Brasil que queiram contam como foi sua primeira vez, se quiserem trocar idéias, etc.

18 de Novembro de 2020, 00:07
1
Por que homens tem tanta insegurança com o tamanho do penis? Respondam-me  :D
20 de Novembro de 2020, 02:29
1
Como tudo começou... Meu no me verdadeiro e Ricardo tenho 21 anos, tenho 1,70 cabelos e olhos castanhos uns 70 kg. Bom vamos ao que interessa quando eu estudava em um colegio particular e estava sempre com uma amiga nos eramos muito unidos, todos ate diziam que eramos namorados mais nao tinha nada a ver mesmo, ficamos nessa amizade durante uns 6 meses ate um dia nossos pais viajaram e ficamos sozinhos estavamos na casa dela assistindo televisao quando comecou a passar um programa sobre travestis e ela falou bem que vc poderia ser mulher ne pois assim ficaria mais facil para conversarmos sobre roupas e sobre os rapazes, eu sorri apenas. Apos isso ela sempre tentava me fazer vestir as roupas dela, comecou a falar mais de homens para mim e tudo mais, ate que um dia ela me propos uma coisa uma aposta se eu perdesce teria que me vestir de mulher quando estivessemos sozinhos, aceitei a aposta, no fim eu perdi, isso foi umas 2 semanas antes do carnaval. Uma semana antes do carnaval ela me convidou para ir para Fortaleza passar o carnaval la na casa dela topei mais nem imaginava o que estava por vir, essa semana antes do carnaval, passei me vestido de mulher durante algumas horas dos dias junto dela conversando e agindo como uma garota. Um dia antes de irmos ela me ligou falando que era para eu arrumar a mala que ela ia passar em casa para pegar pois ela morava proximo ao aeroporto e sia mais facil deixar la. No dia seguinte peguei minha mala na casa dela e fomos para Fortaleza, na ida ela falou que tinha preparado uma surpreza para mim que nos iamos em alguns bailes e que ela queria que eu fosse de mulher disse que nao teria coragem, chegando la pegamos nossas malas e fomos para a casa dela chegando la ela me mostrou onde era meu quarto e disse que eu fosse tomar banho que ela ia arrumar minahs coisas no armaria, aceitei e fui, a hora qeu eu sai do banho sobre a cama estava uma calcinha fio dental preta, um shortinho curtissimo de lycra preto, uma baby look branca e sandalia melissa de salto alto cristal, fui ate o armario e quando abri so havia roupas de mulher, fui falar com ela e pedir minhas roupas mais ela tinha tirado toda minha roupa e deixado na casa dela a minha mala estava cheia de roupas femininas, entao aceitei e voltei para o banho e me depilei todinha, vesti as roupas e sai do quarto ela adorou ficamos falando sobre os garotos e sobre o que fariamos a noite entao ela me falou se nao queria vestir um biquini e tomar sol para ficar com marquinha de fio dental topei e ficamos no sol, quando entrei e me vi no espelho delirei de tesao com as minhas marquinhas, entao ela quiz pintar meu cabelo no comeco nao queria mais acabei deixando pintei de loiro fiquei uma graca pois nesta epoca tinha cabelos compridos abaixo do ombro, fez meu pe e mao, quando comecou a anoitecer ela me chamou para sair eu disse que nao iria daquele geito e ela falou que eu estava uma perfeita garota, aceitei e fomos nos trocar vesti uma calcinha fiodental, minisaia de lycra azul royal, uma blusinha preta justinha sandalia de salto cristal, maquiagem e fomos para a balada, era minha primeira noite em fortaleza e a primeira vez que saia asa ruas como uma garota. Pedimos um taxi e fomos ate um clube onde estava temdo baile de carnaval chegando la fui muito paquerada e levei algumas passadas de mao e tudo mais ate que um garoto lindo vei por tras de mim e me deu aquela acoxada fiquei um pouco sem graça mais ele era muito lindo entao deixei ele ali ele percebendo que eu nao tinah ligado comecou a passar a mao em mim e me paquerar derepente ele me virou e lascou um beijo na minha boca no comeco tentei resistir mais nao aguentei e retribui, ele nao parou de me beijar e passar a mao na minha bunda e pernas e me chamando de gatinha gostosa, quando percebi ja estava com a mao dentro do shorts dele entao ele me convidou para dar uma volta falei que nao poderia pois estava com uma amiga entao ele disse que tinha um amigo e poderiamos sair todos juntos topei e fomos dar uma volta minha amiga estava ficando com o amigo dele e eu com ele, nao sei se pelo efeito da bebida topamos deixar eles nos levarer embora, quando entramos no carro eu e meu gatinho fomos atras e minha amiga na frente com o amigo dele, estavamos nos beijando quando vi que minha amiga estava fazendo um boquete pro cara enquanto ele dirigia ate a casa dela, nisso ela virou para mim e falou faz tambem que vc vai gostar nisso o Fabio que estava comigo tirou o pau para fora e colocou minha mao no pau dele eu meio sem graça fiquei batendo uma punheta para ele ate que ele falou no meu ouvido chupa meu pau aninha chupa que eu sei que vc vai gostar nao resisti e cai de boca naquele pau, nossa que delicia chupar, chupei ate ele gozar na minha cara um que delicia nisso chegamos e eles foram em bora falando que voltariam no dia seguinte para sairmos juntos nos aceitamos com o maior prazer... mais isso e outra historia ja...Foi assim que tudo comecou...

20 de Novembro de 2020, 02:43
1
tracei a dentista recentemente fui á dentista, era um dia muito chato um tédio só. tinha horario para as 18: 30, chegando ao consultorio nao havia secretária.sentei no sofá e aguardei que fosse chamado,qdo surgi no corredor uma loiraca de 1,75 de altura numa sandalia bem alta e um corpo estonteante sorriu para mim e disse: vc é o vinicius? eu disse que sim. vamos passe a proxima sala. deitado na cadeira perguntei seu nome, ela disse: simone, lindo nome respondi. fazendo a limpeza de minha boca ela chegava bem pertinho podia sentir sua respiracao, foi qdo ela tentou alcancar o outro lado da plataforma de utensilios e esfregou seus seios em meu peito, eu fiquei muito excitado na hora e lhe dei um beijo ela ficou assustada e disse que era casada, mas seu olhar dizia o quanto havia gostado foi ao armario buscar uma luva eu cheguei por tras e coxei ela ela suspirou e disse vc quer entao vamos comecei a beija lá e ela gostava abriu meu ziper e fez boquete gostoso baixei sua calca ela pediu que fode-se sua xota eu atendi e coloquei todo ela gritava de prazer e tesao chupei sua xota tbm e com o polegar metia no seu cuzinho ela gozou varias vezes, após pedi que ela ficasse de quatro em cima da cadeira e tive aquela visao privilegiada meti sem dó em seu cuzinho, ela adorou fodi ela por umas duas horas, após saimos do consultório e fomos direto para um motel para terminamos o q aviamos comecado....... atualmente eu traco a simone a cada consulta e como ela é muito gostosa de fuder.........                                              se vc quiser ouvir uma história
20 de Novembro de 2020, 02:46
1