Mensagens recentes

Páginas: 1 2 3 4 5 6 7 [8] 9 10
71
Exibicionismo / Todos os dias na minha cama
« Última mensagem por Paula em 28 de Outubro de 2020, 18:51 »
Todos os dias adoro brincar com minha buceta  :D

Queres ver ?

Apenas para membros registados
72
Fantasias Eróticas / Agua no Mar...
« Última mensagem por Paula em 28 de Outubro de 2020, 18:50 »
Já se falou aqui sobre fazer amor na água, devido a isso resolvi postar aqui um relato que escrevi para o meu blog de contos pornográficos. Nesse blog relato experiências sexuais que vivi na primeira pessoa. Mostro-vos assim um bocadinho de mim. Sendo que este nem tem linguagem muito forte, achei adequado ao forum...

 Espero que gostem e comentem:

  Estávamos na praia. Era uma praia algarvia. Quente, de areia amarela brilhante, linda, a beira-mar era dourada, e a água estava maravilhosa, esverdeada mas transparente, quase não havia ondulação...
 Estava debaixo do chapéu de sol e ela deitada de barriga para cima ao sol. Eu olhava-lhe os seios maravilhosos apesar de estarem debaixo do soutien do bikini...
 Virou-se para mim e perguntou:
 -Queres vir à água?? Estou cheia de calor, já não aguento mais..
 -Sim. -Respondi eu- Aí está uma boa ideia...
 Era hora do almoço, cerca da uma da tarde, a praia estava quase vazia, para além de ser uma praia muito calma, a maior parte do pessoal tinha ido almoçar...
 Entrámos no mar, até a água me dar pelos mamilos.. a ela dava-lhe pelas claviculas ou um pouco acima...
 Abraçámo-nos e beijámo-nos. Fiquei logo com uma grande erecção, e ela sentiu-a pois estávamos abraçados..
 -Que é isto? -Perguntou.
 -Tusa. -Respondi.
 -E ficas assim só com um beijinho??
 -Já sabes como sou. Um eterno adolescente. Além disso, estás tão boa... Tão linda, tão tesuda, adoro a cor da tua pele, o teu cheiro e sentir o calor do teu corpo. Pões-me fora de mim...
 -Apetecia-me fazer amor...
 -Também a mim...
 -Baixa um bocadinho os calções, eu desvio o bikini para o lado, o que achas??
 -Nem precisas perguntar, estou pronto!!

 Penetrei-a ali, dentro de água.. Ela abriu as pernas e colocou-as à volta da minha cintura.. Fizémos amor durante um bom bocado, mas não me vim... Tinha ligado o cínico, e quando assim é, duro o tempo que quiser. Ela teve dois, três orgasmos, e disse-me:
 -É melhor parar, já estamos a dar nas vistas..
 -Ok. -Respondi eu. -Não me importei por não ter chegado lá... Naquele dia era tudo só para ela, tinha nascido para lhe dar prazer, e ia dar-lhe o máximo possível..
 Passámos o dia dentro e fora de água, fizémos amor todas as vezes possíveis..
Sempre que havia pouca gente dentro de água, lá íamos nós.. Só atingi o orgasmo já eram sete e meia da tarde, ou mais...
 Vi o esperma a sair de dentro de mim e a flutuar, afundando-se devagarinho, parecia aquelas bolas de vidro com líquido lá dentro, em que os líquidos têem diferentes cores...

 Adorei. Adoro fazer amor na água do mar...
73
Fantasias Eróticas / Algumas Fantasias
« Última mensagem por Paula em 28 de Outubro de 2020, 18:49 »
Fantasias sexuais mais ousadas

Das mais elaboradas às mais simples, toda a gente tem fantasias sexuais. A pensar nisto, o jornal ‘El País’ esteve à conversa com vários homens que confessaram aquilo que lhes vai na cabeça.

Gérman, 46 anos. “Tenho sempre a mesma fantasia: fazer sexo a três com duas mulheres. A ideia de ter duas mulheres só para mim excita-me bastante, mas também sou sincero: a ideia impõe um pouco de respeito…”

Borja, 29 anos. “Sem dúvida que as meias são a minha fantasia. Sabes as típicas meias pretas de licra que ficam acima do joelho? E se depois houver um cinto de ligas… Puf, excita-me imenso.”

Mario, 31 anos. “A minha fantasia sexual é fazer amor num provador com uma desconhecida. Por exemplo, estar a fazer compras no centro comercial e reparar numa mulher a trocar de roupa por uma cortina entreaberta. Trocarmos olhares e ela convidar-me a entrar…”

Manu, 29 anos. “Adorava enrolar-me com a salva-vidas da piscina durante o seu horário de trabalho. E dentro de água.”

Daniel, 25 anos. “Excita-me bastante o sexo virtual. Imagino duas miúdas abraçadas a fazerem coisas entre si, só para mim.”

Damián, 27 anos. “Ter sexo com a mãe da minha namorada, sem dúvida alguma. Numa noite em que fosse dormir a casa dela, cruzávamo-nos na cozinha quando fossemos beber alguma coisa e fazíamos sexo em cima da bancada.”

Sergio, 39 anos. “A minha fantasia é ter sexo dentro de água. Por exemplo, fazer amor no mar, dentro de uma piscina ou até na banheira. Há algo na forma como a água se adapta ao corpo que me excita.”

Alex, 22 anos. “Adoraria ser o protagonista de um daqueles anúncios das lavagens de carro automáticas, em que as modelos ficam encharcadas em água e sabão…”

Juan Pablo, 50 anos. “O que acontece quando tens fantasias sexuais com a melhor amiga da tua namorada? Sempre me questionei se seria capaz de ir para a frente com essa fantasia. E tendo em conta que gosto da minha parceira…”

Carlos, 23 anos. “Deitar-me com uma mulher madura, entre os 35-45 anos, mas que tivesse um corpo de 25.”

Jesús, 35 anos. “Uma das minhas fantasias sempre foi fazer uma surpresa à minha mulher, ir ter com ela ao escritório e fazer sexo ali mesmo.”

Daniel, 37 anos. “A minha fantasia é fazer sexo dentro da casa de banho de um avião em pleno voo. E se for com uma hospedeira, ainda melhor.”

Victor, 32 anos. “O meu sonho é fazer sexo com duas mulheres ao mesmo tempo, mas que me dominem. Era como se eu fosse o seu instrumento de prazer.”

Boris, 30 anos. “Adoro a ideia de fazer um trio com duas mulheres que sejam mãe e filha.”

Miguel, 45 anos. “A minha é fácil, e já a concretizei muitas vezes, mas adoro. Quando vou de viagem com a minha mulher, paramos num daqueles parques de merendas no meio do nada e fazemos sexo em cima do capô do carro, ao ar livre. A sensação é fantástica.”

Jesús, 46 anos. “A minha fantasia é estar com uma mulher de 30 anos que seja virgem. Adoraria ser o primeiro homem com quem ela descobrisse o sexo e deixá-la louca de prazer.”

Vicente, 28 anos. “A mãe do meu melhor amigo põe-me louco. Mais do que uma vez, imaginei que me cruzava com ela no elevador e fazia-lhe uma proposta indecente.”

José, 33 anos. “Adorava que a minha namorada me mandasse fotos quentes para o telemóvel. ”

Alexis, 29 anos. “Adorava fazer sexo com uma mulher que estivesse vestida como as coelhinhas da Playboy: com as orelhas e meias acima dos joelhos.”

Toni, 30 anos. “Eu não sei o que se passa, mas os elevadores excitam-me. Acho que tem a ver com o facto de poder ser apanhado, mas essa é a minha fantasia mais recorrente.”

Carlos, 28 anos. “Pode ser muito normal, mas sem dúvida, fazer sexo com gémeas. Essa seria a minha maior fantasia sexual.”

Fonte: https://lifestyle.sapo.pt/amor-e-sexo



Qual a vossa favorita ??  :) não precisa necessariamente de estar mencionada acima
74
Dominação e Submissão / Regras para uma submissa
« Última mensagem por Paula em 28 de Outubro de 2020, 16:40 »
Uma submissa que preza a sua coleira, se comporta sempre da melhor maneira para agradar o seu Senhor.
Ele é o bem mais precioso que ela possui na vida, ele e a VIDA dela, aquele que da sentido em tudo. Por este e outros motivos uma submissa nunca deve:

Ter ataques de ciúmes
Desobedecer
Mentir
Ser infiel
Ser insolente
Ter ataques explosivos
pretender exclusividade
Tomar decisões sozinha
ser egoísta
manipular ou fazer joguinhos
ser impaciente
ser ansioso
responder mal
ser mal educada
ser arrogante
Ataques de ciúmes

Ataques de ciúmes

Não são permitidos a uma submissa, ela não tem posse sobre nada ou ninguém. Não existe MEU para uma submissa. Ela é quem é a posse e não o contrario.

Desobedecer

De alguma forma, seja ela qual for não é submissão. Pois a submissão é o ato de obedecer as vontades do Dono.

Mentir

A mentira não pode fazer parte do vocabulário de uma submissa, pois toda a relação D/s são baseadas na verdade, cumplicidade, e alem disto a confiança que o Dono deposita nela jamais deve ser traída.

Ser infiel

Como citado acima toda a relação entre submissa e Dominador e baseado na cumplicidade, lugar onde não cabe mentiras, traição, se uma submissa trai seu Dono, nunca o respeitou.A submissa servira a outro homem apenas quando desejar seu Dono.

Ser insolente

Impertinência e orgulho não fazem parte da servidão e submissão por tanto devem ser eliminadas do dicionário de uma submissa verdadeira.

Ter ataques explosivos

Não se resolvera ou mostrara submissão sendo explosiva e agindo por impulso, pois não se raciocina e não fará nada neste momento que agrade seu Senhor.

Pretender exclusividade

Submissa é um brinquedo ao prazer do Dono, uma peça na sua estante, ele pode ser e ter  quantas quiser. Submissão e’ ser uma serva, não esposa, não namorada, não amante. Sentimento da submissa ao seu Senhor deve ser servi-lo e nada mais. Adorar o fato que ele permita sua servidão, venerar cada castigo e atenção que ele der ou que ele o faça. Não esperar nada em troca.
A Submissa da sempre tudo o que o Dono precisar para ser feliz e realizado. Ela se realiza e é feliz com o que proporciona a ele nada a mais.

Tomar decisões sozinha

Uma Submissa pensa, mas jamais toma decisões sozinha, tem um Dono e deve saber o que ele quer ou pensa da situação em questão, somente depois de saber a opinião dele tomara uma decisão.

Ser egoísta

Uma submissa não deve pensar nos seus interesses , mas  sim nos do seu Dono, ele é o centro de tudo, centro do seu mundo, ele quer que o universo gire a seu favor.

Responder mal

Todas as resposta ás perguntas que o Dominador faz devem ser respondidas com serenidade e compreensão pela submissa. Se algo em questão não a agrada, poderá pedir ao Dono a palavra e se explicar, dizendo o que sente, mas não esperando aprovação, no fim ele sempre decide, o que é melhor para ambos.

Ser mal educada

Uma submissa é sempre educada, tanto pelas regras de comportamento da sociedade baunilha, como a sociedade BDSM. Nunca deve ser ao contrario.

Ser arrogante

Arrogância não levara nada de bom nas consequências do depois. A submissa ter que ser humilde a todo  o tempo.

Estes são os Principais atributos de uma submissa o que ela pode fazer para servir, dedicar e se entregar melhor ao seu Dono e senho
75
Dominação e Submissão / Dominação e submissão no sexo anal
« Última mensagem por Paula em 28 de Outubro de 2020, 16:40 »
Para que aconteça uma relação de dominação e submissão durante o sexo anal, o casal deve estar ciente de tudo que envolve essa situação. A mulher, que, na maioria das vezes, assume a forma submissa, deve deixar claro antes do início dos trabalhos até onde o homem, enquanto dominador, pode chegar. Vocês podem combinar algum som ou gesto que evidencie que o limite foi atingido.


O mesmo deve acontecer quando o homem estiver na situação de submisso e a mulher enquanto dominadora. Isso não significa que a mulher irá fazer qualquer tipo de penetração anal no parceiro sem que haja a completa permissão dele.
76
Dominação e Submissão / Sessão BDSM
« Última mensagem por Paula em 28 de Outubro de 2020, 16:40 »
O que é uma sessão BDSM?

Podemos definir uma sessão BDSM como um momento em que praticantes se reúnem para executar e/ou receber práticas que envolvem uma das formas de interação no BDSM - Bondage, Disciplina, Dominação e Submissão e SadoMasoquismo

- Pode ser um casal, que está em um relacionamento e executa práticas durante o sexo?
- Pode ser um grupo de amigos que decidiram fazer uma reunião informal pra experimentar práticas entre eles?
- Pode ser um Mestre e seu aprendiz aplicando didaticamente as práticas?
- Pode ser duas pessoas que ainda estão em fase de se conhecer?

Pode!!!

Não existe nenhuma regra litúrgica que defina que a sessão só pode acontecer entre pessoas que possuem relacionamento fixo. E a partir daqui podemos passar para a próxima questão.

Como acontece uma sessão?

Cada pessoa tem um universo diferente de preferências, e são elas que vão determinar o desenrolar de uma sessão. Vai depender de vários fatores pessoais e de como as pessoas estão emocionalmente e fisicamente pra esse momento. Muitas limitações podem acontecer também no decorrer da execução das práticas, e que podem mudar o rumo do que seria a preferência primária da pessoa.

Uma sessão entre amigos pode ter uma diversidade muito grande de práticas, pois vai envolver um conjunto bem maior de preferências do que uma sessão entre um casal por exemplo.

Cada pessoa vai ter uma forma de iniciar a sessão ou de colocar o parceiro na "vibe".
Não existe uma liturgia predefinida de como deve acontecer uma sessão ou algum ritual fixo, dependendo basicamente da vontade dos envolvidos e da reacção dos parceiros no momento.

Muitas pessoas já tem os seus próprios rituais e liturgias para esse momento e ensinam a seus parceiros como funciona para elas e quais são as suas preferências e liturgias.
Durante momentos de conversa (negociação) o parceiro vai dizer e/ou ensinar suas preferências.

Uma sessão implica que haja sempre sexo?

Essa é uma das questões mais discutidas, e novamente não há uma regra ou liturgia que defina que uma "verdadeira" sessão BDSM não deve ter sexo ou ser misturada com sexo. Aliás, em questão de verdadeiro ou falso, quase nada se aplica em questões de BDSM, sendo algo muito particular.

Para esclarecermos, defino aqui o sexo como sendo  "contacto íntimo estimulando a genital de pelo menos um dos parceiros", afinal para muitas pessoas o sexo abrange bem mais do que "penetração" e não necessariamente tem um pénis envolvido.
Incluir o factor sexo na sessão será muito definido pelo nível do relacionamento entre as pessoas e pela forma como a pessoa enxerga o momento sessão. Enquanto que, para alguns, o sexo é algo muito natural e aceitável dentro da sessão, para outros o sexo pode ser abominável e errado. Qual dos dois está errado? Nenhum!!! E ainda existem pessoas que tem o sexo como factor fundamental e que não desconectam a sessão de sexo, para elas é tudo muito naturalmente sexual,  e mais ainda, outras pessoas que não necessariamente incluem sexo nos planos da sessão, mas podem querer sexo no decorrer dela.

Muitas pessoas não atribuem ao BDSM teor sexual porque elas preferem não ter sexo durante as sessões, deixando pra um outro momento ou pra um outro parceiro, preferindo a sessão focada somente nas práticas.

É importante salientar que, deve ficar bem claro entre os parceiros se haverá sexo ou não durante a sessão, ou se a possibilidade de sexo existe caso a pessoa deseje, já que existem muitas pessoas que não desejam praticar sexo durante a sessão, sendo este até um factor impeditivo para sessão acontecer caso a pessoa tente "forçar". E também fique atento ao detalhe de que algumas pessoas não desassociam o momento da sessão de sexo, então para elas sexo é parte primordial, sendo parte importante e vital dela, mas de forma alguma o sexo deve ser usado como moeda de troca ou forma de chantagem para que uma pessoa "aguente" a sessão para no final obter sexo, fazendo com que o parceiro "ature" algo que não gosta, para ter algo que gosta no final.

Vou gostar de tudo numa sessão?

Não. Nem sempre.
Pode ser que ainda não tenha tido nenhuma experiência desagradável numa sessão porque sempre se relacionou com pessoas muito observadoras e que fizeram uma boa leitura das suas reacções, mas nem tudo sai "às mil maravilhas" sempre.
Pode haver aquele dia que não estava bem, ou que uma prática que sempre gostou não foi tão boa.
E é pensando que nem sempre conseguimos acertar em tudo que existem mecanismos de segurança em uma sessão.
São códigos usados para comunicação entre as pessoas envolvidas, sinalizando que algo pode não estar indo bem, ou que a pessoa não está se sentindo bem. Esses mecanismos de segurança são chamadas de Safeword(palavra de segurança) ou Safesign/Safegesture(gesto ou sinal de segurança).
Esses não são mecanismos de controle, sendo apenas uma forma eficiente de se comunicar e chamar a atenção para algo que pode não estar sendo observado naquele momento.

Safeword - Costuma ser uma palavra apenas, que geralmente não seria pronunciada no decorrer da sessão, o objetivo é "quebrar" o clima e chamar a atenção. A safeword não pode ser usada como humilhação ou como forma de ridicularizar o sub, a importância dela está no fato de que palavras como "socorro", "não", "pára", "chega" entre outras, podem ser elementos da própria sessão, fazendo parte do roleplay em alguns casos e não podem servir como mecanismo de parada, por não chamar a devida atenção. Por costume, convencionou-se usar amarelo e vermelho como palavras de segurança. A palavra amarelo significa desacelerar ou reduzir, sinaliza que está chegando próximo do limite de intensidade suportado, a palavra vermelho significa parar total, sinalizando que algo está errado ou que o limite foi ultrapassado.

Geralmente as pessoas quando começam a se relacionar escolhem sua próprias safewords, e muitas pessoas optam por ter apenas uma.

Safesign/Safegesture - Quando o sub fica incapacitado de falar, por estar amordaçado ou em ambiente com ruído ou situação similar, combina-se previamente um gesto ou sinal que irá substituir a safeword. Nesse caso o Dom deve estar muito atento para o caso de o sinal ser utilizado. O sinal pode ser um gesto com as mãos, com os pés, pode ser batidas no chão ou um chocalho na mão do sub.
77
Dominação e Submissão / Coleira - O Ritual de colocar uma coleira
« Última mensagem por Paula em 28 de Outubro de 2020, 16:39 »
Encoleiramento é um ritual litúrgico, que marca o início de uma relação de posse BDSM.
Antes do encoleiramento existem outras fases que são individuais em cada relacionamento, podendo ser de adestramento, condicionamento, consideração entre outras.

O ato de encoleirar é simbólico, podendo ser o objecto usado para encoleirar uma coleira de verdade, um colar, uma pulseira, um bracelete, símbolos que vão representar a relação.
O real encoleiramento acontece dentro das mentes das pessoas, que se tornam posses de outras, dentro dos parâmetros que foram combinados para se estabelecer a relação, o objecto usado para encoleirar é apenas um sinal, um símbolo de que a relação existe, algo que reforce a memória.

O encoleiramento também é um sinal ou aviso para a comunidade BDSM de que a relação foi consolidada, estabelecida.
A partir daquele momento, aquela pessoa é reconhecida como intocável, pertencente ao seu parceiro dominante.

Dentro da comunidade BDSM o encoleiramento tem um significado muito expressivo, um compromisso explícito e a demonstração de que houve uma "simbiose" entre aquelas pessoas.

Rituais fixos, não há, já que cada casal vai dar seu próprio "toque" ao ritual.
Mas existem rituais de encoleiramento que já se tornaram bastante "famosos", como a Cerimónia da Rosas ou o Círculo das Velas.

Existem também rituais fixos, dentro de comunidades ou grupos fechados, que servem para ratificar o compromisso entre proprietário e posse diante do grupo, como se de um casamento se tratasse.

Muitas pessoas optam por fazer rituais de encoleiramento sem a presença da comunidade, de forma bem íntima, mas é imperativo que o ritual seja presencial e real. Infelizmente, a leviandade com que o assunto encoleiramento vem sendo tratado actualmente, vem fazendo com que cerimónias como essa sejam cada vez mais raras...
78
Dominação e Submissão / Além dos acessórios, atitude
« Última mensagem por Paula em 28 de Outubro de 2020, 16:38 »
Quando se fala em relação de dominação e submissão, muitos se lembram dos chicotes, das roupas de couro, das fivelas e das algemas. Essa forma de ver o sexo também envolve isso, mas ela vai além.


Ela só é possível quando o casal está em perfeita harmonia e consegue estabelecer limites de até aonde vai o prazer e a dor do parceiro. É uma relação que pode estimular a paciência, a amizade e o amor durante o dia a dia, mesmo quando não está na hora do sexo.
79
Dominação e Submissão / Estilos de submissão
« Última mensagem por Paula em 28 de Outubro de 2020, 16:38 »
Estilos de submissão

Existem muitos níveis e versões de submissão.
Uma forma de assegurar uma boa relação é comunicar exactamente aquilo pretende, tanto a nível pessoal como a nível sexual.
Os Dominadores não lêem mentes. Os limites devem ser claros. Alguns submissos só se submetem em cenas sexuais e não nos outros aspectos das suas vidas, enquanto outros entregam as suas vidas a um Dominador.

Segue-se uma lista dos estilos de submissos mais comuns. É de notar que muitas vezes, os submissos não se inserem apenas num estilo, mas apresentam características de vários.

Submisso conceptual
Este tipo de submisso aprende tudo o que pode sobre o assunto lendo romances, livros de erótica, e tudo o que conseguir na net.
Não tem qualquer experiência real ou concepção daquilo que é o BDSM.

Submisso mental
Este submisso inicia a submissão na sua mente. Este indivíduo é submisso dentro e fora do quarto. Frequentemente sentem a necessidade de se submeterem ou renderem a um dominador. A submissão é, em geral, mental mas também pode ser física. Uma vez rendido, o submisso pode tornar-se um recipiente vazio, preparado a ser moldado pelo Dominador. O Amor não é um requisito, pois é uma submissão mental.

Submissão romântica
Este submisso deseja entregar tudo sem se tornar um escravo. Um submisso romântico deseja o amor do seu Dominador. O ato de submissão é repleto de emoção e amor. Dão tudo em troca do amor e confiança do Dominador.

Submissão de quarto
Este tipo de submisso vive uma vida normal e até pode ser Dominador, mas quando entra no quarto, este papel é esquecido e este submete-se ao Dominador. A troca de poder acontece, e fica, dentro do quarto. Este tipo de submissão é quase sempre sexual.

O criado
Este tipo de submisso está apenas interessado em servir o Dominador. Este tipo de submissão normalmente não inclui actividade sexual. Estes submissos desempenham tarefas, limpam a casa, e organizam a agenda do Dominador. Este submisso satisfaz as suas necessidades ao fazer coisas para outros.

O escravo sexual
Este tipo de submissão/ submisso escolhe este tipo de vida pelo sexo, com uma pessoa, várias pessoas, ou de qualquer forma que se possa imaginar. Este tipo de submisso raramente tem limites no que toca a sexo e deixará um Dominador empregar a dor como método de excitação e libertação, com pouca ou nenhuma cautela.

O escravo
Diferente de um submisso, um escravo tem de se render completamente e ser completamente controlado por um Mestre. O escravo tem de se sentir como se fosse propriedade do Dominador. Podem tornar-se uma pessoa diferente depois de o Dominador o treinar. Quando o Mestre está contente, o escravo está contente.

Masoquistas provocadores
Este tipo de submisso “porta-se mal” constantemente para que o Dominador o castigue. Muitas vezes, este tipo de submisso é mal-encarado pela comunidade BDSM, pois consideram que estes submissos são demasiado fracos para pedirem honestamente o que querem.

O submisso carente
Estes tipos de submissos agem sempre de forma a captar a atenção tanto de outros submissos como de Dominadores. Colocam posts em sites para que outros tenham pena deles. Colocam fotos com pouca roupa, não por terem orgulho dos seus corpos, mas porque precisam de receber bons comentários, que validem os seus esforços. Normalmente são muito chatos.

O submisso Alfa
Este indivíduo acredita que é o maior submisso. Pensam que ninguém pode possuir tanto conhecimento, ou atingir o seu nível de submissão ou formação em termos de protocolo. Pensam estar um nível acima dos outros submissos e escravos. Tipicamente, estes indivíduos não são verdadeiros submissos. Lêem muitos livros e artigos sobre o estilo de vida, e até podem submeter-se a um Dominador, mas normalmente não têm experiência, e não sabem aplicar o conhecimento adquirido nos livros em situações reais. Também não sentem a necessidade de se submeterem internamente e só o querem fazer pela experiência.

Não se esqueça que é uma lista de tipos de submissos mais comuns, e que pode não se inserir num único estilo, mas sim em vários.

Pode até nem concordar com estas descrições, mas pelo menos espero que fique com uma ideia de que existem vários níveis de submissão, e que esta surge de várias formas.
80
Dominação e Submissão / Dominação e submissao
« Última mensagem por Paula em 28 de Outubro de 2020, 16:37 »
Hey pessoal
Presumo que todos saibam o que e submissão e dominação.
Quem não sabe pode ver as 50 sombras de grey lol
Eu pessoalmente acho interessante.... Qual a vossa opinião??
Páginas: 1 2 3 4 5 6 7 [8] 9 10