Mensagens recentes

Páginas: 1 2 3 [4] 5 6 7 8 9 10
31
Relatos Eróticos / Morena Gostosa
« Última mensagem por Paula em 17 de Novembro de 2020, 23:46 »
Morena Gostosa (Por Cacete18)-(História Real) No meu trabalho, há cerca de 2 anos atrás, existia uma funcionária gostosíssima, chamada Michelle. Ela é morena, 18 anos (aparentava ter mais), cerca de 1,65m. de altura, cabelos super pretos e compridos, bunda deliciosa, coxas grossas, seios médios para grandes, e uma boca enorme, onde eu imaginava enfiar meu pau um dia... No trabalho eu sempre fui muito sério, não dando bola para as outras funcionárias, ainda mais que eu tinha uma namorada que trabalhava lá também. Eu tinha 28 anos, e nos meus 1,75m, magro atlético, cabelos e olhos castanhos, gostava de olhar para ela, mas só isso. Dificilmente conversávamos muito. Então minha namorada mudou de emprego. Michelle, depois disso, na primeira vez que se encontrou comigo no trabalho, estava diferente. Conversava mais abertamente e fazia gestos de quem queria algo mais. Disse certa vez que era horrível não sairmos do trabalho no mesmo horário. Eu perguntei por que e ela disse que poderíamos fazer algo juntos. Não perdi tempo, e convidei-a para uma volta naquele mesmo dia. Ela topou, e a peguei na saída do trabalho com meu carro. Ficamos pensando onde poderíamos ir, sem dizer claramente o que um queria de verdade do outro. Naquele dia ela estava com uma blusinha, sem sutiã, com alças finas, onde percebia-se a exuberância de seus seios deliciosos e tetas grandes. Nunca tinha visto ela com uma blusinha daquela. Será que fez de propósito ? Sua calça era de lycra preta, bem enfiada na bunda, estando com uma sandalinha, com os dedos à mostra e calcanhares soltos. Sua boca era tipicamente de uma chupadora profissional. Que boca ! Estava com um baton vermelho bem forte. Eu fui de bermuda, sapato sem meias, e uma camiseta sem mangas, onde de propósito mostrava meu físico. Decidimos ir num barzinho simples, pois eram sete e meia da noite apenas... Ficamos conversando nada de interessante, quando ela deu o pontapé inicial, ou roçadinha inicial. Ser eu ver, ela ficou descalça e começou, durante nossa conversa, a roçar um de seus pés na minha canela. E comentou: - Deve ser foda ficar longe da sua namorada muito tempo, não? (minha namorada agora trabalhava à noite, e realmente nos víamos pouco desde então). - É verdade ! Mas as amigas servem para resolver este problema, não? (ela me forçou essa pergunta, pois roçava agora seu pé no meu, agora também descalço, pois eu tinha tirado um sapato). - Com certeza ! No que posso te ajudar hoje ? Estou à sua disposição, gato ! - Não transo a alguns dias. Resolveria meu problema? - Porque não falou logo. (E fez uma carinha de putinha, com aquela boca gigante). Decidimos, sem pensar muito, ir num local com pequenos Box, fechado, onde se pagava quase nada. Lá era bem escuro e era feito para trepadas rápidas. Estacionei o carro no Box, acendi a luzinha interna, e comecei a tirar a roupa. Ela não perdeu tempo também. Fiquei só de cueca, com o pau duríssimo (tenho 18 cm de pau bem grosso). Ela só ficou de calcinha, com os peitos deliciosos de fora. De repente nos abraçamos feito loucos, com beijos de língua violentíssimos. Apertava violentamente seus seios e ela quase torcia meu pau duro, com as mãos. Era um desejo animal, de ambos os lados. Tirei minha cueca e ela a calcinha, com minha ajuda. Quase rasguei a calcinha dela. Ela pegou meu pau e enfiou rápido na sua boca enorme. Chupava feito uma esganada. Que puta era aquela... Chupava intensamente, e eu com o braço esticado, enfiava meu dedo no cuzinho dela, enfiando e tirando devagar. Ela gostou e começou a chupar mais intensamente ainda. Eu estava louco, pois queria enfiar meu cacete nela. Pedi que parasse e arreganha-se as pernas para mim. Deitei o banco dela, e enfiei a língua na buceta molhada dela. Chupei como louco aquela buceta. Ela também queria dar e pediu: - Enfia logo esse pau em mim ! Aquele posição estava desajeitada. Fomos para o banco de trás. Sentei com o pau empinado e ela sentou de frente para mim, direto enfiando na buceta. Seus seios ficaram na posição ideal para mordê-los. Que tetas ! Enquanto ela cavalgada aquela buceta melecada no meu pau, eu segurada sua bunda com minhas mãos, enfiando o dedo no cuzinho dela ! Ela cavalgava como louca ! Eu estava quase gozando. Então pedi para ela ficar de quatro ! Mirei e enfiei por trás. Que bunda fantástica. Meu pau grande sumia naquela bucetona meio raspadinha ! Os movimentos eram violentos. Ela rebolava como louca ! Tirei meu pau da sua buceta, pois ia gozar. Ela me masturbou com as mãos e me viu gozar. Ela não sentiu o gosto da porra, mas pegou-a com a mão e lambuzou seus seios inteiros. No dia seguinte saímos de novo, mas fomos ao motel. Eu queria comer o cuzinho dela. E em nossas conversas ela já tinha dito que gostava. Após as preliminares, estávamos completamente nus, na cama do motel, ela deitada com a bunda empinada para cima, e eu a abraçando totalmente por trás. Meti primeiro na buceta, longamente. Ela era demais. Depois lambuzei seu cuzinho com creme de chantilly, que tínhamos comprado antes. Enfiava meu dedo lá dentro, fazendo voltas. Ela até me assustou quando disse alto: - Come meu cu logo ! Ajeitei-me e enfiei meu pau sem dó, de acordo com o desesperado pedido. Gemíamos os dois de dor e prazer. Aquele cu era apertado e meu pau grosso. Falávamos besteiras do tipo: - Vou te rasgar inteira, puta gostosa ! - Puta caralho gostoso! Me fode, me fode ! Gozei dentro do cu dela. Foi maravilhosa aquela metida por trás deitados. Depois demos um tempo, pois ela também tinha namorado. Trepamos só mais uma vez, de novo dentro do carro, umas 2 semanas depois. Ficamos amigos e só. Não a vejo desde que saiu do trabalho, há uns 7 meses. Meu apelido é Cacete18. Aguardo Emails com comentários e propostas indecentes. Todas as minhas histórias são reais. Quero mais uma com você, para quem sabe colocar aqui no futuro. Detalhe, continuo com namorada, ela é liberal, mas ela não participa e nem vai saber. Sou de Campinas/SP, tendo 30 anos, pele clara, sempre queimado de sol, 1,75m, 18cm. de pau grosso, cabelos curtos, castanhos como os olhos, magro atlético.
32
Relatos Eróticos / A amiga da minha esposa (verídico)
« Última mensagem por Paula em 17 de Novembro de 2020, 23:45 »
Meu nome é Fred, tenho 38 anos, 1.81m, 72 kg, moreno claro, Karla, minha esposa, tem 28 anos, 1.68m, 52 kg, morena clara, sua amiga Cris, tem 29 anos, 1.60m, 48 kg, morena clara, somos de Juiz de Fora / MG. Quase todos os anos passamos o Natal e Réveillon em Cabo Frio, este ano não foi diferente (1999/2000) pois temos casa lá, as duas, Karla e Cris, são muito amigas e sempre viajam juntas, numa dessas viagens a Cabo Frio, sugeri a ida à praia de nudismo em Búzios, a Olho de Boi, as duas me olharam meio desconfiadas e deram um sorriso. Chegando lá fomos à nossa casa e descarregamos as “tralhas” do carro, a tarde fomos à rua dos biquínis, para “elas” verem alguns modelos, depois de algum tempo, já na saída da rua dos biquínis, sugeri uma chegada a um barzinho no canal. Depois de algum tempo e algumas caipirinhas, o clima já estava meio alegre, fomos para casa tomar banho pois estava um dia quente e a noite prometia. Já em casa, notei que a Cris me olhava de um modo meio sacana e isso me deixou com alguma esperança de transa... é claro que a Karla não podia nem sonhar. Fomos tomar banho, eu e Karla, quando derepente, Cris aparece só de toalha perguntando se ela não podia tomar banho também.... fiquei sem jeito, mas Karla disse: só se for nós duas. Eu achei aquilo excitante, e lá foram, fiquei na sala vendo TV e ouvindo risadas, depois de “algumas horas”, as duas aparecem de camiseta e calcinha e disseram para mim: agora é a sua vez. Fui tomar banho crente que as duas estariam comigo, mas que nada, foram para o quarto deitar. Depois do banho fui para o quarto e encontrei Karla nua, aquilo me deixou num tesão que cheguei tirando o short e deitando sobre ela, ela deu um gemido mas concordou com a minha atitude, fui beijando devagar seu pescoço, descendo pelas suas costas, indo pelo rego, até chegar naquele cuzinho cheiroso, dei uma lambida que ela se contorceu toda, abri as suas pernas e lambi aquela xoxota rosada, até sair aquele mel gostoso, virei-a de frente e lambi seus seios, ela segurou minha cabeça e colocou-a entre suas pernas, cada vez que lambia ela gemia, depois de deixá-la toda molhada ela virou-se e chupou meu pau, colocou todo em sua boca e puxava com uma força que parecia que ele ia arrancar, fizemos um 69... depois coloquei meu pau na sua xoxota e empurrei devagarinho... fui fazendo um vai-e-vem devagar, mas ela pedia mais rápido e atendi, quase na hora de gozar ela tirou meu pau e colocou-o na sua boca e pude ver aquela porra toda jorrando no rosto dela, e cada vez mais que eu gozava ela delirava chupando. Ficamos deitado por um tempo e ela perguntou se aquela proposta de Búzios estava de pé, eu disse que sim. Na manhã seguinte, no café o papo de Búzios rolou, Karla estava excitada com a proposta, Cris estava meio desconfiada, depois do café fomos escolher a praia. Cris vestia um biquíni minúsculo e Karla não deixava por menos, também estava maravilhosa com outro minúsculo biquíni, e eu já estava ficando de pau duro. Já no carro fomos até a praia das Conchas, estava um pouco cheia e Karla sugeriu irmos até o Peró, mas para nossa surpresa Cris disse: Que tal Búzios ?? Era isso que faltava.... fomos até Búzios, ficamos em Geribá, depois fomos almoçar na Rua das Pedras, a tarde fomos visitar outras praias. A noite fomos comer uns crepes e jogar conversa fora, nessa conversa Cris disse que ouviu os gemidos de Karla e ficou com “inveja”, eu, como não poderia deixar passar essa, disse: Porque você não foi lá para participar ?? Ela sorriu e disse: Da próxima vez eu vou. Karla deu uma risada gostosa e apertou a minha perna, pensei: falei merda. Lá pelas altas horas, fomos dançar num lugar chamado COCO DOIDO, na praia, estava lotado, mas valeu pela música e pela companhia. Na manhã seguinte no café, veio aquela pergunta de Karla: Em que praia que nós vamos ?? Cris sugeriu: Olho de Boi !!!! Eu achei ótimo, indo para lá Cris nos contou que tinha curiosidade de ir numa praia dessas, pois sempre Karla falava de nossas aventuras por essa praia. Depois de subir e descer aquele morro, chegamos ao “paraíso”, todo mundo nu, Cris ficou meio sem jeito, mas Karla tentou de ambienta-la tirando logo a parte de cima do biquíni, eu tirei a sunga e fomos arrumar um local para “armar” a barraca, Cris tirou a parte de cima e ficou sentada na kanga, já Karla estava nua, linda, gostosa, eu estava começando a ficar de pau duro e fui até a água, para aliviar o MICO, quando voltei Cris estava nua e de costas, nossa que visão, aquela xoxota rosinha fechadinha, aquela bunda maravilhosa... Karla sacou o meu interesse e me chamou para passar bronzeador nela, ela também estava de costas e comecei a passar nas costas e fui descendo até a sua linda bunda... passei o bronzeador entre as pernas e de quebra massageei discretamente sua xoxota, ela ficou um pouco excitada, quando acabei, Cris pediu para Karla passar bronzeador em suas costas, Karla disse que podia pedir para eu passar, Cris me olhou e disse: Você quer ?? Na mesma hora comecei a passar, devagarinho, descendo até chegar em seu rego, e que rego, com aquela penugem loura, sua bunda dava vontade de morder... sua xoxota...que xoxota.... passei devagar quase encostando em sua xoxota, cada vez que passava seu cuzinho se retraia e meu pau já começava a dar sinal de ereção, quando acabei de passar bronzeador nela, eu estava de pau duro, fiquei sentado até acalmar a situação, ela deu uma olhada e sorriu, levantei depois e fui a água, quando estou saindo da água a Cris vem ao meu encontro e pede para voltar, aí pude ver seus lindos seios, pareciam dois pêssegos, lindos durinhos....não havia uma pessoa que não olhasse.... ficamos um pouco na água, foi quando Karla veio e sugeriu darmos uma volta pelo morro, topei na hora, Cris também, pegamos nossas coisas e fomos subir o morro em direção ao outro lado, as duas foram na frente e a minha visão era de cinema, duas xoxotas andando na minha frente.... que imagem.... chegamos no alto e vimos aquele mar lindo, quase parado, contracenando com o sol maravilhoso e o céu azul...Karla pegou a kanga e colocou-a no chão para sentarmos e ficamos ali por algum tempo vendo as pessoas lá em baixo e aquele visual, quando olhei para o lado Karla estava deitada e me pediu um beijo, deitei-me sobre ela e dei um longo beijo, foi quando senti uma mão que não era de Karla em minhas costas, era Cris dizendo: posso participar ???? Dei-lhe um beijo nos lábios e ela deitou-se ao lado de Karla, ora beijava Cris, ora Karla, fui lambendo a Cris devagar, seus seios eram tão deliciosos que não dava vontade de parar, Karla massageava meu pau e eu massageava sua xoxota.... isso durou alguns minutos.... resolvemos ir para casa. Chegando em casa, fomos tomar banho os três.... que banho, as línguas rolavam de cima para baixo de baixo para cima, ninguém tinha dono.... fomos para cama, lambi Cris todinha, Karla pagava um boquete muito gostoso para mim, depois de lamber a Cris, fui lamber a Karla, para não ter briga, foi quando a Cris deu-lhe um beijo e começou a chupar seus seios, deixei as duas a sós, fiquei observando aquela cena de duas mulheres se amando, depois de um tempo elas me chamaram e disseram: agora é a sua vez, nunca fui tão chupado e beijado como aquele dia....Cris queria que eu comesse seu cuzinho..... Cris ficou de quatro, enquanto Karla estava debaixo dela chupando seus seios, fui enfiando um dedo...depois o outro... e ela pediu para enfiar o pau, enfiei devagar e comecei um vai-e-vem gotoso e lento, quanto mais eu vazia o movimento devagar ela gemia, Karla lambia sua xoxota e meu saco, eu estava com tanto tesão que parecia que ia explodir.... comecei a ir mais rápido e ela a gritar mais.....ela pediu para não gozar dentro pois queria minha porra no seu corpo todo, quando eu estava quase para gozar, tirei o meu pau e segurei-o para não gozar, Cris e Karla ficaram deitadas uma ao lado da outra e gozei sobre as duas, foi porra para tudo que é lado.... as duas riam, lambiam meu pau, passavam porra em seus rostos, entre as pernas, nos braços....depois fomos para outro banho e outra sessão de lambidas.... Nunca vou esquecer este verão de 2000, devemos ir no carnaval a Cabo Frio, espero que seja tão bom, quanto a passagem do ano.
33
Relatos Eróticos / Meu Anjo
« Última mensagem por Paula em 17 de Novembro de 2020, 23:45 »
Meu anjo, antes de dormir, não conseguia parar de pensar em nós, na nossa situação de poder deixar que ninguém desconfiasse ainda mais, nos nossos momentos de alegria, tristeza, saudade, raiva, prazer enfim pensava aonde tudo isso um dia parar. Queria muito ter você aqui do meu lado, para tocar teu corpo, sentir teu cheiro, o calor do teu beijo, sentir você deitar a cabeça no meu peito e fingirmos que aquele momento seria eterno, mas, infelizmente já era por volta de 01:30h da madrugada, e outro homem(seu filho Pedrinho), era quem tinha esse privilégio. Então meu corpo adormeceu, só meu corpo, pois era impossivel não sonhar com você. Estávamos em um barzinho muito legal na Beira Mar, muito aconchegante, som de ótima qualidade, a brisa do mar a banhar o seu rosto, os teus olhos deixando a paixão transparecer, as minhas mão te acariciar, noite linda, a lua á irradiar luxúria como se previsse o que estava para acontecer, enfim tudo perfeito. Por volta de 12:20h pagamos a conta e saímos em direção á sua casa, estávamos no carro ao som de Meu bem querer do Maurício Maniere, sua mão na minha coxa(como sempre), então pensei - Por que ir para casa agora?, lembrei-me de um lugar especial que conhecia um pouco distante dali, mas que poderiamos ficar mais á vontade, mudei a rota e segui caminho. Chegamos a umas dunas perto de uma praia muito bonita, descemos do carro e fomos passear. De mãos dadas vislumbrávamos o céu, as estrelas o luar, tudo ao nosso redor era lindo e perfeito, estávamos a sós em meio aquele paraíso. A brisa fria te deixava arrepiada, você de pedia para que eu te abraçasse para aquecesse-te. Então, te abraçava, te acariciava, te beijava, te mordia, roçava o meu corpo no seu enquanto você delirava, suspirava, gemia...e seus gemidos só eram intercalados pelos meus beijos, Ufa! e que beijos! Cheios de desejo, paixão, um sentimento que até hoje não sabemos explicar, e continuávamos a caminhar pela praia. Derrepente nos detivemos em frente a uma pequena lagoa entre as dunas, formada pela água parada do mar, nos olhamos e quase que como por telepatia sabíamos o que se passava pela cabeça um do outro(isso sempre acontece). Te abracei, beijei o teu pescoço, o teu rosto, o teu queixo, os teus lábios de mel enquanto minhas mãos percorriam o teu corpo, apertando e acariciando ainda por cima da roupa tudo o que eu tinha direito e nosso desejo consentia. Desabotoava sua blusa bem devagar, e ia descendo pelo seu corpo e te beijando, ouvindo seus suspiros, parei um pouco nos teus seios ainda coberto pelo seu soutien beijava-os devagarinho, acariciava-os , meus dedos os delineavam, levantava o soutien e lambia os seus mamilos, mordiscava-os enquanto você segurava a minha cabeça e alisava os meus cabelos, gemendo, suspirando. Continuei a descer beijando a sua barriguinha, á essa altura o já estava mais que excitado, estava sim em transe, onde só pensava em te possuir. Desabotoei a sua calça, abri o seu zíper, passei a beijava, cheirava sua Vênus por cima da calcinha preta de renda, seu corpo inteiro exalava sexo, massageava o seu clitóris por cima da calcinha, levantei-me, beijei seus lábios outras vez enquanto você tirava a minha camisa e azunhava o meu peito, estirei a minha camisa na beira da lagoa, você deitou e eu terminei de tirar a sua calça jeans por inteiro, tirei a sua calcinha com os dentes, abri as suas pernas e coloquei a minha cabeça entre elas, passei então a beijar e morder as partes internas das suas coxas bem próximas a sua vulva, você se contorcia de desejo e prazer o que me deixava mais alucinado ainda. Beijava, mordia e passava a minha língua contornando o seu hímen apenas para te torturar ainda mais, ouvia você me implorar para que eu te penetrasse, mas eu queria continuar a deliciar-me com os sucos que escorriam da sua Vênus, passei a chupar o seu clitóris nessa hora você não agüentou e deu um gritinho - Hammmmm....!!, há como eu adoro ouvir seus sussurros e gemidos, ás vezes me deparava e só vislumbrava aquela delicada peça vermelhinha que frevilhava e se enrijecia as simples caricias do meus lábios, introduzi a minha língua a na sua xaninha e nessa hora você contorceu toda e deu um forte gemido, precisei segurar com minhas duas mão a sua cintura para não deixar que você escapasse a habilidade com que minha língua preenchia e massageava o seu ponto G, não demorou muito e você começou a sentir o seu corpo espasmar, as suas carnes a tremer e então você gozou, forte e alto foi o seu urro de prazer, então você desfaleceu e ficou inconsciente por alguns segundos enquanto eu ficava parado olhando só te olhando, quase não acreditando que tinha você, a minha Deusa a minha fêmea em meu braços, você acordou e me deu um sorriso e um olhar que pareciam mais dizer assim - Foi maravilhoso, só que agora é minha vez !!. Começou então a descer pela minha barriga beijando e lambendo-a, deslizou a sua mão até o meu membro e então começou a massagear a aperta e masturbá-lo, deslizou a sua língua por toda a extensão do meu mastro, abocanhou a glandes e começou a chupar com aquela habilidade que só você tem, adorava sentir seus lábios deslizando e pressionando o meu mastro, á que chupada maravilhosa. Quando já estava perto de gozar na sua boca, você levantou-se de súbito, eu fiquei sem entender nada, e você olhando para mim, começou a andar de costas entrando na água, você falou - Vem, meu amor !, então entendi o que você queria. Tirei o resto da minha roupa e fui de encontro a você, a água que estava fria não teve muita influência sobre nossos corpos que queimavam de tesão, nos abraçamos, e nos beijamos como se fosse o nosso primeiro beijo, um misto de paixão, carinho, desejo e felicidade. As suas pernas, se enlaçaram na minha cintura onde houve o primeiro contado entre nossos sexos, continuava a beijar o seu pescoço e acariciar seus seios, posicionei o meu pau na entradinha da sua xana, segurei seu ombro com a mão direita e de uma vez só penetrei nas sua entranhas, você urrou mais uma vez enquanto dizia frases desconexas como - Me come, me possui pois sou sua fêmea e você é meu homem, meu macho ! neste momento comecei a estocar, a penetrá-la, a foder você, podia sentir seus lábios vaginais deslizando sobre a pele do meu mastro, bem devagar, devagarinho como você gostava que fosse, aquela sua xana que parecia a de uma gata no cio, engolia o meu pau deixando ele sentir a alta temperatura do seus corpo, do seu sexo. Ali estávamos, em um paraíso, seu corpo enroscado no meu, enquanto eu entrava e saía de dentro de você te arrancando gemidos, sussurros e frases que eu adoro do tipo - Vai goza dentro de mim, porque eu quero sentir o teu liquido dentro de mim meu macho !, passei então a não parar mais de golfar dentro de você, embebedado pelo seu cheiro comecei a sentir o tão sonhado prazer que você queria me dar, e você continuava a falar - Aiiiiii.....aiiii....aí meu amor, eu vou gozar !!, então explodimos em um gozo intenso e maravilhoso quase que simultâneos, você continuava a me declarar Ai, eu te amo...eu quero você, fica comigo sempre !!. Os nossos corações palpitavam forte e rapidamente, pareciam que queriam saltar para fora de nossos corpos, talvez pelo cansaço e pela emoção de estarmos nos amando sem pudor ali, naquele paraíso. Depois te tudo isso te levai para a areia, e nos fizemos amor pelo resto da madrugada a até adormecemos exaustos. Depois te levei para casa pela manhã, então infelizmente acordei deste maravilhoso sonho que uma dia eu tornarei realidade como você, meu Anjo.
34
Relatos Eróticos / Putinha do cinema
« Última mensagem por Paula em 17 de Novembro de 2020, 23:44 »
Eu sou uma quase travesti, oriental, um metro e setenta. Hoje eu fui a um cinema porno no centro da cidade e estava usando uma calça jeans larga, uma canga de estrelinhas por baixo, uma blusinha jeans curta de amarrar e uma jaqueta jeans e uma bolsa LV feminina. Na bolsa levava outra canga e uma blusinha jeans. No cinema encontrei um cara que havia gozado na minha cara no ano anterior. Ele me disse que meus peitos haviam crescidos e que estava uma gata, ele me levou para uma das cabines do banheiro e me fez ficar sentado no vaso, ele mostrou o seu pau de vinte centimetros que chupei gostoso até que ele me puxou pelos cabelos, apontou a pica para o meu rosto e gozou com muita porra, foram umas seis esguichadas generosas. Ele saiu do banheiro e limpei toda a porra com a minha canga e sai do cinema como uma putinha
35
O que gostavas de perguntar ás Mulheres ? / Re: Você prefere dinheiro ou transar?
« Última mensagem por Susy em 17 de Novembro de 2020, 10:50 »
Transar  ;)
36
Relatos Eróticos / Segunda vez da minha esposa com outro macho: Uma surpresa gigante!
« Última mensagem por Paula em 13 de Novembro de 2020, 22:00 »
Olá, meu nome é Mario e sou casado com a Patrícia, ambos temos 34 anos, aos poucos estou escrevendo sobre as experiências que tivemos no mundo do ménage masculino. Sou corno manso e adoro ver minha esposa sendo cobiçada, desejada e arrombada pelos pauzudos de plantão que não perdem uma oportunidade de fuder com ela. Nesse conto relato nossa segunda experiência com outro macho.

Se você não leu o relato da nossa primeira experiência, sugiro que leia antes de prosseguir o título é: A primeira vez que minha esposa deu pra outro macho na vida e eu estava junto.

Continua depois da publicidade
Patrícia é uma mulher extraordinariamente linda, 1,74m de altura, pele branquinha, cabelos bem pretos e lisos, boca carnuda, seios médios e a bunda mais linda que já vi na vida, grande, dura e empinada. Adora malhar e usar saltos altíssimos, imagine, 1,74 + salto 12, temos um mulherão lindo de 1,86m que intimida muito marmanjo por aí. Tudo isso é maravilhoso, mas, nada como vê-la pelada, como um mulherão daquele pode ter uma bucetinha tão pequenininha, rosinha e apertada? Quem vê fica louco, parece feita a pincel.

Três meses já haviam se passado desde o nosso primeiro ménage, moramos em uma cidade pequena e só realizamos nossas fantasias quando vamos para grandes centros. Nesse período, gozamos muito juntos, e também me masturbei varias vezes com o tesão da experiência única que ainda era latente. Na quinta, propus para Patrícia de no sábado marcar nosso segundo encontro, ela topou e eu comecei a organizar.

Somos bastante objetivos e decididos, geralmente já separo pra ela os perfis mais confiáveis nas redes sociais de swing e ela escolhe entre eles quem será o felizardo da vez. Eu tenho um pau considerável 18cm de rola proporcional, grossa, mas não muito, cabeçuda, mas não muito também, e a Patrícia sempre gosta de escolher um macho com a rola maior que a minha, e eu também prefiro até porque, como já disse em outro conto, gosto de transar com ela depois que o outro cara termina o serviço e vai embora para sentir a bucetinha dela arrombada, isso me faz lembrar as cenas que acabei de presenciar enquanto nossa transa está rolando. Se você nunca fez isso, não sabe o tesão que dá e a oportunidade de ter um sexo diferente que está perdendo.

Continua depois da publicidade
Bom, mas vamos lá… já estávamos no motel esperando o cara, que aqui chamarei de Armando, a portaria interfonou e logo ele bateu na porta. Quando abri a porta, fui surpreendido, o cara tinha uns dois metros de altura, e uma mão imensa. De cara já pensei, hj a Patrícia vai sofrer na rola desse gigante. Ele entrou na suíte, percebi que quando ela o viu ficou com um semblante de espanto, o cara realmente era muito grande.

Nos apresentamos, conversamos um pouco, ela explicou pra ele que não curte beijar na boca(não sei o porquê, mas ela foi superando isso e passou a beijar os caras), Patrícia estava com uma calça leg apertadíssima que deixava a bunda dela gigante, uma blusinha solta e decotada que com qualquer abaixada já deixava seu busto aparecer e um sutiã de renda branco dava um toque especial, como sempre, salto fino e alto.

Armando pediu que ela se levantasse para ele admirar o conjunto, eu como bom corno que sou, segurei na mão dela e lentamente fui girando minha esposa enquanto ele admirava com olhar de quem ainda não acreditava que ia comer aquela delícia. Quando ela ficou de frente para ele novamente, ele segurou na cintura dela e puxou a para perto, subiu as mãos em direção aos seios e junto levou a blusinha, eu terminei de tirar a blusa e já aproveitei pra tirar o sutiã. Ele virou ela de costas, e desceu a calça leg. Patrícia de costas pra ele, desceu do salto, tirou a calça pelos pés sem se sentar, proporcionando para Armando aquela visão maravilhosa que vc já deve imaginar, e subiu no salto novamente.

Eu sentando na cadeira, admirava minha esposa de costas para o comedor, lindíssima, só de calcinha e salto alto, ele beijava e apertava a bunda dela e com a outra mão ia pela frente enfiando o dedo médio pela lateral da calcinha e iniciando uma massagem no clitóris dela com movimento rotativos. Logo ele colocou ela sentada na cama, tirou a camisa, abriu a calça e colocou pra fora aquele pau enorme, como já era de se esperar, proporcional ao tamanho do sujeito. Armando tinha um pau não muito grosso, mas era muito grande acredito que uns 24 cm mais ou menos e tinha uma cabeça tipo cogumelo, muito destacada, algo muito diferente das duas rolas que ela já tinha experimentado na vida.

Com a mão esquerda, ela começou a massagear as bolas do Armando, ele tinha um saco murcho que parecia ter se esticado de tanto suportar o peso das bolas(depois ela me disse que o saco dele era pesado), com a direita batia punheta em um movimento lento de vai e vem como que admirando aquele caralho enorme e bem diferente dos anteriores. Não demorou muito e ela começou a lamber e beijar a rola dele, mesmo tendo que abrir bastante a boca visto que a “chapeleta” era grande, foi abocanhado aquela rola cabeçuda e sugando com força, parecendo uma bezerrinha faminta, que delícia, depois começou a tentar pôr os ovos do Armando na boca, conseguiu, porém, um por vez.

Armando foi pegar a camisinha, eu tirei a calcinha dela e chupei aquela buceta melada, enquanto ele vestia o preservativo no pau pra começar a meter. Ele chegou na beira da cama, minha esposa de frente e eu em pé a certa distância, levantou as pernas dela, virou ela levemente de lado de modo que eu pudesse ver, deu três pinceladas na bucetinha, a cabeça da pica dele era muito maior que a porta de entrada, mas ele começou a forçar, não entrou, ele então passou mais cuspe, pincelou novamente, e tentou de novo, a cabeça foi entrando, ela apertava os lençóis com as mãos e gemia, no lento põe e tira, logo a buceta dela já estava engolindo aquela mastro até o talo, e aquele homem enorme pressionava ela contra a cama, enquanto apertava e mamava seus peitos, dava estocadas fortíssimas que faziam ela gritar de prazer.

Armando pegou um travesseiro, pediu que ela deitasse de bunda pra cima com o travesseiro embaixo na linha da cintura, ela ainda de salto ficou como ele pediu, aquela mulher linda, de salto, bunda pra cima e o joelho um pouco flexionado era uma coisa linda de ser ver, ele veio por cima, e começou a bombar forte naquela bunda maravilhosa, ela gritava com aquela rola enorme e cabeçuda arrombando sua bucetinha tão delicada, foram alguns minutos de firmes estocadas e Armando começou a falar que ia gozar, ela pediu pra ele parar.

Eu e ela tínhamos combinado que o próximo macho gozaria nos peitos dela, então ela puxou a cadeira de uma mesa que tinha no quarto e ficou de joelhos na cadeira firmando na mesa, falou para Armando meter, mas não gozar dentro, porque ela queria tomar a gozada nos peitos.

Armando colocou uma mão no ombro e outra na cintura de Patrícia, e começou a dar estocadas fortes e lentas, batendo com força seu quadril contra a bunda dela, ela gemia alto e contribuía para as estocadas empurrando a bunda empinada contra o cacetão duríssimo dele. Aquele garanhão enorme e pauzudo, urrava, respirava fundo e hora olhava para a bunda dela, hora olhava pra cima e fechava os olhos, eu percebia que ele não estava conseguindo mais segurar o gozo, até que acelerou o ritmo por alguns segundos e gritou: “CARALHO, EU VOU GOZAR!”.

Ele tirou o pau bruscamente da buceta da Patrícia e já foi puxando a camisinha, ela virou de frente rápido pra sentar na cadeira e se posicionar para receber a porra daquela rola pulsante nos seus seios, não deu tempo, Armando já tinha segurado muito e o gozo explodiu em jatos violentos, o primeiro pegou no cabelo na lateral da cabeça dela e um pouco caiu na mesa, o segundo muito grosso e volumoso acertou os lábios no canto da boca e respingou pela bochecha, o terceiro no pescoço, e os seguintes já com menor intensidade foram atingindo o busto e escorrendo pelos seios e barriga, ela com uma mão firmava na coxa de Armando e com a outra acariciava o saco puxando as bolas, enquanto ele relaxava, gemia ofegante e sacudia a rola com força que ainda pingava porra no busto dela e espirrava algumas gotas em outras direções. Com o indicador e o polegar ele apertou a cabeça da rola, deslizou para a ponta juntando o restante de sêmen que ainda escorria do seu pau amolecendo e jogou nos peitos dela, como se Patrícia fosse uma vadia qualquer que tinha acabado de ser usada, que tesão em vê-la assim. Fui ajudar ela a se limpar, muita porra escorrendo pra todo lado.

Armando tomou banho, se vestiu e foi embora. Nós, como sempre, fomos transar, ela com o cheiro da porra de outro macho no cabelo e no rosto, e eu colocando meu pau naquela bucetinha arrombada e segurando pra não gozar logo nas primeiras bombadas, relembrando as cenas que tinha acabado de presenciar.

Caso queiram mais contos, peçam nos comentários, será um prazer dividir com vocês aqui no site meus momentos de cornitude, tesão e realização.
37
Relatos Eróticos / BOCETÃO inchado da prima putona
« Última mensagem por Paula em 13 de Novembro de 2020, 21:59 »
Olá, vou falar sobre a minha prima putona Thaís.

Thaís é uma putona do BOCETÃO inchado (nunca vi nenhum igual) e louca por picas grandes socadas com força nela.

Continua depois da publicidade
Tudo começou há mais ou menos uns 10 anos, quando minha prima foi morar lá em casa. Depois de alguns dias, passou a dormir comigo. Tudo começou após propor que deveria arrumar uma amiga para mim senão iria comê-la. Ela arrumou a amiga, porém ela está louca para me dar. Um belo dia estávamos no sofá e então puxei sua roupa de lado e passei a mão na sua boceta, estava inchada e melada. Ela com medo que alguém chegasse disse para irmos para o quarto. Deitamos e fiquei acariciando sua boceta, baixei sua roupa até os joelhos. O tesão dela era tão grande que ela não aguentou e tirou toda a roupa e virou de costas. Não consegui socar de costas nela, então ela virou de frente e pode levar pica na boceta que pulsava de tão inchada, melada e quente. Essa noite foi toda de sexo. Daí para frente sempre socava em sua boceta, mas um dia acabei comendo o seu cu sem querer, ela deixou entrar como se fosse na boceta. Foi a deixa para passar a amar pica no cu. Inclusive, a única foda que ela me contou e de um cara que empurrou uma pica enorme no seu cu enquanto estava em pé no banheiro. Ela conta com cara de putona, como ela é.  Um dia estávamos na casa de uns parentes e, como tinha muitas pessoas, então alguns estavam dormindo no chão. Ela, estava deitada perto da cama que eu estava. Aproveitei e soquei na bocetona inchada dela no meio de todo mundo. Com medo do barulho, ela mamou pela primeira vez, eu na cama e ela sentada no colchão no chão. A partir daí ela passou a mamar todos os dias, duas, três vezes, fazia boquetes demorados, treinando para mamar em outras picas. Depois de um tempo e de ter fodido a bocetona inchada com vários caras ela arrumou um namorado, mas mesmo assim continuou sendo minha puta. Ela ia ao meu apartamento fazer boquete ao meio-dia, hora do almoço, enquanto ele ligava para ela, eles trabalhavam juntos. Muitas vezes sua boceta estava muito inchada, mas ela não pedia para socar e acabava fazendo apenas boquete. Todas as semanas isso ocorria. A primeira vez que ela foi para a casa do namorado ela ficou três dias na rola, quando voltou comi ela, inclusive o cu, e ela mamou também.  Muitas vezes, quando ele ia buscá-la, ela estava na pica, principalmente no boquete, e ele ficava aguardando na rua até ela tomar leitinho. Essa prima putona sempre dizia que amava rola grande e socada com força, precisava experimentar rolas novas para fazer sua bocetona ficar cada vez mais inchada. Depois ela foi embora e eu ia na sua casa para ela fazer boquete no carro. A última vez que estive com ela, há 6 meses, ela gozou 4 vezes enquanto chupei seu BOCETÃO inchado dentro do carro. Ela pagou um boquete e nunca mais houve nada. Ela sabe que o BOCETÃO inchado dela é meu e que sempre vou comer e fazê-la mamar na minha pomba. Essa é a minha prima putona bocetuda, louca por picas grande.
38
Qualquer relacionamento, principalmente os estáveis e de "longa data", costuma atravessar alguns períodos em que a atividade sexual é menos frequente. Uma fase mais morninha — que para alguns é de "seca" total — pode ser resultado de vários fatores.

"A diminuição ou ausência de sexo em determinadas épocas do casamento é algo natural e costuma estar associada a momentos críticos da vida, como nascimento de filhos, reforma da casa, estresse no trabalho, conflitos interpessoais, crise financeira ou afetiva, abuso de álcool e ou drogas, infidelidade...", comenta a psicóloga Mara Lúcia Madureira, especializada em TCC (Terapia Cognitivo-Comportamental).

Porém, não são somente essas crises que influenciam na intimidade conjugal. Não é raro que, durante um casamento, as pessoas acabem se acomodando em relação ao sexo e deixem de transar por meses e até por anos. Isso conduz à questão: por quanto tempo é possível um casamento funcionar sem sexo?

Relações que atravessam longos períodos sem sexo são mais frequentes do que se imagina. E, acredite, nem sempre resultam em separação, o que não impede que a questão seja encarada como um sinal de alerta e que mereça ser trabalhada.

Por ter a sensação de que o outro estará sempre lá, no travesseiro ao lado, disponível, há a tendência de deixar o sexo para depois, pensando que depois haverá um momento mais favorável. E, aí, o casal começa a postergar esperando o melhor dia, local e/ou hora.

"Quando percebem, já se passaram meses sem uma relação sexual. É muito comum ver casais que deixam de fazer sexo porque hoje ainda é segunda e amanhã tem que acordar cedo ou porque hoje é sábado e ficaram fora o dia todo e é melhor deixar para domingo que estarão descansados. São pensamentos que acontecem tanto em homens quanto em mulheres e isso começa a distanciar o casal", afirma a psicóloga Adriana Severine, também especialista em TCC.

Amizade e cumplicidade seguram a situação

Não existe, segundo Adriana, um tempo limite para uma pessoa ou um casal ficar sem sexo, já que isso depende de vários fatores. "Há casais jovens que ficam quatro ou cinco anos sem sexo e mantêm o casamento, enquanto outros passam quatro meses sem transar e a relação desmorona. Sempre que falamos de relações humanas não se pode generalizar, pois cada indivíduo é único", diz.

Já Juliana Bonetti, psicóloga e terapeuta sexual, de São Paulo (SP), fala que o tempo que um casamento pode ou não durar sem sexo depende de como cada um lida com essa ausência.

"Em certos casos, geralmente o desejo está depositado em um só, ou seja, um no casal quer sexo e o outro não ou nem tanto. Nessas situações, sustentar um relacionamento fica complicado. As cobranças e as discussões tornam-se constantes e difíceis de administrar", diz. Quem sente mais vontade acaba se sentindo rejeitado.

Amizade, cumplicidade, amor, sonhos em comum, jeitos de pensar semelhantes e confiança são aspectos mais importantes do que sexo para algumas pessoas e que podem manter um casamento assexuado.

"Ter uma boa convivência fora do contexto sexual influencia muito a tolerarem à falta de sexo. Muitos casais têm uma vida conjugal muito boa no quesito vida a dois, filhos, família, trabalho. O sexo não é o que determinará uma separação", avisa Juliana.

Não é por isso, entretanto, que a baixa ou a falta de frequência sexual deve ser subestimada. O sexo é uma experiência importante para o bem-estar individual e do casal, pois ajuda a fortalecer a intimidade e o vínculo.

Afastamento emocional é um risco

Muito tempo sem transar pode afastar o par e é justamente esse afastamento — não só sexual, mas sobretudo emocional — que provoca uma espécie de "trava" quando a vontade surge, impedindo a pessoa de expressar ao outro que sente desejo. De acordo com Mara Lúcia, há pessoas que sentem falta de transar, mas não tomam nenhuma atitude. O que as impede?

"A falta de atitude pode expressar baixa autoestima, autoimagem negativa, dependência financeira ou afetiva. Por não se sentir suficiente física, intelectual, financeira ou socialmente, a pessoa se acomoda, encontra meios de se satisfazer sexualmente sozinha e segue a vida com o cônjuge. A passividade tem o objetivo de manter o status quo da relação e evitar entrar em contato com os próprios sentimentos de inferioridade ou incapacidade de gerir a própria vida contando apenas consigo mesmo", diz.

Para Juliana, um longo período sem sexo faz também com que a pessoa perca contato com a própria sexualidade e sensualidade e tenha medo de ser julgada pelo par, já que a intimidade, nesse fase, sofreu um certo abalo.

Para Adriana, quando o sexo começar a diminuir ou rarear, é preciso que os dois se disponham a conversar abertamente sobre o que está acontecendo. Pode ser um papo difícil, mas vai ajudar, inclusive, a motivar o casal a buscar estratégias para o problema ou alguma questão que esteja afetando a libido.

Por exemplo: se a pouca vontade de transar tiver a ver com as finanças, o par pode definir um plano para cortar gastos ou aumentar os ganhos e, conforme o contratempo for sendo solucionado, ir resgatando a intimidade e a cumplicidade.

"Mas, se os dois não se sentem confortáveis para conversar a respeito, o ideal é procurar uma terapia de casal para ajudá-los a entender o momento pelo qual passa a relação. Meu conselho é nunca ignorar o assunto e fingir que nada está acontecendo. Há casais que decidem viver sem sexo, mas isso deve ser uma decisão de ambos, não algo empurrado com a barriga e que não resolve a situação. O ideal é que ocorra um diálogo e não uma discussão ou briga sobre o assunto para encontrarem juntos uma saída", completa.
39
Casamento sem Sexo / Vossos maridos são fiéis?
« Última mensagem por Paula em 13 de Novembro de 2020, 21:56 »
Fazem sexo constantemente?
40
Sexologia / Saiba o que é Sexologia e quebre o Tabu sobre o Sexo!
« Última mensagem por Paula em 13 de Novembro de 2020, 21:54 »
O sexo é uma das bases de nossos laços e relações humanas. Mas qual o porquê de tanto medo em tocar no assunto

Falar de sexo sempre foi tabu. Embora hoje os preconceitos acerca do tema tenham diminuído, ainda existe uma parcela da sociedade que não pesquisa, se aprofunda ou tem interesse em saber mais de um dos alicerces de nossas relações humanas.

Para o médico psiquiatra brasileiro Flávio Gikovate, especialista em sexologia humana, ainda falta muito para nos livrarmos dos preconceitos que circulam em torno do sexo e de sua prática. Gikovate, dono de diversos títulos publicados sobre o assunto, sempre teve como preocupação desmistificar o tema e trazê-lo de forma didática e familiar para o público.

Ele afirma que muitos desses preconceitos têm origem na maneira conservadora com que olhamos para o sexo: “Assim, sexo e amor continuam a ser entendidos como parte do mesmo impulso instintivo, quando, na verdade, são impulsos autônomos – e não raramente antagônicos”, explica o médico.

O que é Sexologia?
O sexo está presente na vida do homem desde a sua origem. Nada como uma área específica para estudar a fundo a psicologia humana por trás das manifestações sexuais. A esse área deu-se o nome “sexologia”.

Ela estuda o comportamento, pensamento e emoção humana com foco no desenvolvimento sexual e nos aspectos fisiológicos, psicológicos, médicos, sociais e culturais em que eles atuam. Ela atua nos conhecimentos sobre o sexo e a saúde, prevenção de doenças, controle de natalidade, disfunções, entre outros.

O estudo científico do sexo e da sexualidade datam desde o período grego, onde a curiosidade pelo tema já  ocupava a mente e os pergaminhos dos antigos gregos. Mas a sexologia como ciência, tal como o termo “sexologia”, foi consolidado no fim do século XIX, com a publicação de importantes livros sobre o assunto:

Psychopatia sexualis de Richard von Krafft-Ebing, lançado em 1886;
Libido sexualis de Albert Moll, lançado em 1897;
Estudos de psicologia sexual de Havelock Ellis, também lançado em 1897.
Sexo x Sexualidade
Termos muito confundidos entre os leigos, sexo e sexualidade têm diferença. Entende-se por “sexo” as características físicas e fisiológicas que diferem o feminino do masculino. A sexualidade, entretanto, é a conexão afetiva. São as sensações, descobertas, experiências e o prazer gerado a partir delas.

“A SEXUALIDADE UM ASPECTO CENTRAL DO SER HUMANO DO COMEÇO AO FIM DA VIDA E CIRCUNDA SEXO, IDENTIDADE DE GÊNERO E PAPEL, ORIENTAÇÃO SEXUAL, EROTISMO, PRAZER, INTIMIDADE E REPRODUÇÃO” (…) “É MULTIDIMENSIONAL – INFLUENCIADA PELA INTERAÇÃO DE FATORES BIOLÓGICOS, PSICOLÓGICOS, SOCIAIS, ECONÔMICOS, POLÍTICOS, CULTURAIS, ÉTICOS, LEGAIS, HISTÓRICOS, RELIGIOSOS E ESPIRITUAIS.” –  ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE SAÚDE (OMS), 2002.

Sexólogo: Quem é esse profissional?
De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS) a sexualidade é “A integração de elementos somáticos, emocionais, intelectuais e sociais do ser sexual que, por meios que são positivamente enriquecedores, realçam as pessoas, a comunicação e o amor”. Mas e quando estes elementos estão com problema? É aí que entra o sexólogo!

O sexólogo é o profissional da sexologia que estuda as causas emocionais que geram dificuldades de praticar o sexo na relações do indivíduo e na sintonia entre casais. Ele investiga as origens, entende as causas e oferece ferramentas para solucionar os problemas de cada indivíduo, respeitando as suas particularidades e trabalhando suas limitações.

A fim de estudar melhor cada caso relacionado à sexualidade humana, o sexólogo investiga em áreas como psicologia, história, sociologia, biologia e estudos de gênero possíveis origens para as disfunções e problemas emocionais que acometem seus pacientes. Eles também levam em consideração os aspectos sociais, culturais e religiosos.

A vida sexual é influenciada por muitos fatores como estresse, doenças mentais, insegurança, medo, baixa autoestima e religião. Os profissionais que cuidam das disfunções podem ser da área da medicina ou psicologia. Eles têm conhecimento para tratar doenças físicas e psíquicas.

É importante procurar um sexólogo para responder perguntas sobre sexo, vida e receber o auxílio necessário para solucionar tais questões.

Tipos de sexólogos
Sexólogo Clínico
Estuda e trata as questões ligadas a disfunções, distúrbios e variações. Algumas das queixas mais comuns são:

Baixo desejo sexual
Disfunção erétil
 Pré-orgasmo
Intercurso doloroso, como o vaginismo
Ejaculação  precoce
Através de técnicas psicoterapêuticas, o sexólogo clínico também trabalha com a educação sexual e o aconselhamento de casal.

Sexólogo Forense
É especializado em tratar transtornos da sexualidade, parafilias e problemas sexuais originados através de traumas.

Terapia Sexual
É mais focada na sintonia sexual do casal e no conhecimento e desenvolvimento sexual individual. Tem como objetivo proporcionar melhoras da sexualidade como um todo: fisicamente, psicologicamente e emocionalmente.

Além disso, a terapia sexual auxilia na comunicação com o(a) parceiro(a) e no tratamento de problemas psicológicos. Quando há problemas físicos, o encaminhamento para o médico é recomendado.

A terapia sexual não existe somente para quem está com problemas! Ela também ajuda o indivíduo a conhecer melhor o seu próprio corpo e obter recursos para aprimorar sua sexualidade e vida sexual.

Sexologia e Psicologia
A sexualidade influencia diversos aspectos da nossa vida: os pensamentos, sentimentos, ações, laços e a saúde física e mental. É por isso que é um tema muito abordado entre os psicólogos e psiquiatras.

O médico neurologista e importante psicólogo austríaco Sigmund Freud (1856-1939), considerado o pai da psicanálise,  foi o primeiro a investigar as causas das disfunções e problemas relacionados ao sexo. Ele recebia diversos adultos se queixando de problemas. Sua alternativa, então, foi investigar as origens na infância.  Ele foi o primeiro teórico a falar sobre a sexualidade infantil e a tecer estudos essenciais para a compressão da psicologia do sexo.

De acordo com o psicanalista, a sexualidade nos acompanha desde o
nascimento até a morte.  Para ele, o descaso com a sexualidade na infância prejudica a formação do indivíduo e abre alas para  o surgimento de transtornos emocionais. Tais transtornos, se internalizados, podem dar origem às neuroses.


Disfunções
“A SAÚDE SEXUAL É UM ESTADO DE COMPLETO BEM-ESTAR FÍSICO, EMOCIONAL, MENTAL ASSOCIADO À SEXUALIDADE E NÃO SÓ À AUSÊNCIA DE DOENÇA OU ENFERMIDADE” (OMS).

Saúde e Sexologia estão intimamente ligadas. É vital que o cuidado exista em cada momento da vida, especialmente nessa área tão pessoal e que reflete em todas os outros setores da vida.

Disfunções sexuais femininas
Desejo sexual hipoativo;
Aversão sexual;
Pertubação de excitação sexual;
Pertubação do orgasmo;
Dispaurenia;
Anorgasmia;
Vaginismo.
Disfunções sexuais masculinas
Perturbação de desejo sexual hipoativo;
Disfunção eréctil;
Ejaculação precoce;
Anejaculação;
Ejaculação retrógrada;
Ejaculação asténica;
Ejaculação retardada;
Inibição do orgasmo masculino;
Dispaurenia.
Sexologia Online
O atendimento psicológico online já é permitido desde 2012, porém anteriormente estava limitada para 20 sessões e focada em algum objetivo a curto prazo, como o término de um relacionamento, por exemplo.

Mas, com a resolução 11/2018 do CFP, a terapia online está totalmente liberada, sem restrições. Com isso, fica mais fácil acessar o profissional, onde quer que ele esteja.

A sexologia e terapias sexuais também poderão ser acessadas online, onde o profissional dará todo o apoio necessário, da mesma forma que o atendimento presencial.
Páginas: 1 2 3 [4] 5 6 7 8 9 10